Assim como no movimento pelo impeachment de Collor em 1993, estudantes tomam a inciativa para o pedido de afastamento do presidente, que é acusado de obstrução de Justiça no caso da morte da vereadora Marielle Franco.

Com o lema “Por justiça para Marielle, por democracia e por direitos, Basta de Bolsonaro!”, movimentos populares, partidos de oposição e frentes de esquerda realizam em diversas cidades do país nesta terça-feira. Nas redes sociais, os chamados circulam com hashtag #5NcontraAI5

“Que os ventos da América Latina cheguem ao Brasil. Todos nas ruas contra as declarações absurdas dos filhotes da ditadura. Ditadura nunca mais! Quem mandou matar Marielle?”, convocou o integrante da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stedile, em seu Twitter.

O militante sem-terra faz referência à entrevista dada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) em entrevista à jornalista Leda Nagle no dia 31 de outubro. O líder do PSL na Câmara e filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o governo pode criar um “novo AI-5” em reação a eventuais protestos.