Com o tema “PaCTo pela Vida”, a Marcha será realizada no dia 7 de maio. Participe você também!

Professores e pesquisadores de todo o País convidam para a Marcha Virtual pela Ciência, que será realizada no próximo dia 7 de maio. A iniciativa é da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e reúne depoimentos ressaltando a importância da ciência no enfrentamento do coronavírus e a necessidade de todos lutarem pela ciência, pela educação e pela saúde no País. Os vídeos são uma das maneiras que as pessoas podem participar da manifestação que acontece na próxima quinta-feira. Além de depoimentos, em vídeo ou por escrito, os interessados também podem fazer da Marcha criando ou participando dos painéis online, compartilhando os eventos, notícias e chamadas para a Marcha, e ainda comando forças às duas ondas de tuitaço no dia 7, uma às 12h e outra às 18h.

Renato Cordeiro, pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz e conselheiro da SBPC, chama a atenção em seu depoimento para os atuais desmontes que as áreas de CT&I, educação e meio ambiente têm sofrido nos últimos anos. “Essa Marcha pela ciência nessa quarentena da covid-19 é fundamental como vigília, resistência e denúncia permanente para que possamos proteger e mostrar para a nação a importância da ciência, tecnologia, educação e meio ambiente”.

José Antonio Aleixo da Silva, professor titular do Departamento Florestal da Universidade Federal Rural de Pernambuco, e também membro do Conselho da SBPC e presidente da Academia Pernambucana de Ciências, aborda a importância do isolamento social e chama a atenção para a situação crítica que o País está passando. “Uma crise governamental sem precedentes associada a um obscurantismo cientifico que é traduzido pelos sucessivos cortes e contingenciados de verbas para a educação, ciência e tecnologia, bem como desrespeito frontal ao princípio básico das universidades, que é a autonomia na escolha de seus dirigentes. A Marcha Virtual pela Ciência também é um protesto a esses desmandos e um pacto pela vida. Vida perdida não tem retorno. Economia se recupera.”

A importância da ciência no enfrentamento da pandemia também é ressaltada por alguns participantes, dentre eles, Kleber Del Claro, professor titular da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

“A ciência pode nos dar esperança. Esperança de que através de estudos, dedicação dos pesquisadores e estudantes possam criar soluções como novas vacinas e novos medicamentos. Não apenas para solucionar o problema da pandemia, mas de tantas outras que, infelizmente, virão. Ciência é solução. Ciência é investimento em um mundo melhor e para uma vida melhor. Acreditem na ciência”, diz.

Gustavo Mockaitis, docente na Faculdade de Engenharia Agrícola da Unicamp, pondera que é possível acreditar na ciência, sem renunciar crenças e posicionamentos políticos. “Todas as grandes crises, especialmente envolvendo saúde como a peste negra, a gripe espanhola, ebola, aids, entre outras, foram mitigadas e contidas, senão resolvidas, pelo conhecimento científico disponível na época. Você não precisa abandonar suas crenças. Você não precisa abandonar seus posicionamentos para abraçar e reconhecer o que a ciência faz por toda a humanidade”, afirma.

Como participar

Todos podem participar desta etapa da campanha que antecede a Marcha virtual pela ciência de produção de depoimentos curtos. Abaixo algumas sugestões de perguntas que os participantes podem responder:

  • Por que a ciência é importante para o enfrentamento da pandemia?
  • Por que o isolamento social é uma ação fundamental neste momento?
  • Que outras medidas deveriam ser adotadas?
  • Se a ciência brasileira tivesse um orçamento mais adequado, poderíamos estar melhor preparados para o enfrentamento da pandemia?
  • Como a sua pesquisa contribui para o conhecimento e enfrentamento do coronavírus?

O vídeo deve ter duração de 30 segundos a dois minutos.  O participante deve se apresentar brevemente no início – nome, atividade que desenvolve e que instituição representa. O depoimento pode ser gravado em celular mesmo, em alta definição, com o aparelho na horizontal. Sugerimos encerrar o vídeo com a frase: “Fique em casa com a Ciência”.

Todos os vídeos da campanha serão disponibilizados em uma playlist na TV SBPC, no YouTube, e nas redes sociais da SBPC (Facebook, Twitter e Instagram: @SBPCnet).

Alternativamente, é possível também enviar uma declaração por escrito, em uma frase com até 120 caracteres. Neste caso, também solicitamos que a pessoa envie uma breve apresentação – nome, atividade que desenvolve e que instituição representa – junto ao seu depoimento. E se desejar, seu endereço nas redes sociais, para linkarmos.

Os depoimentos, tanto escritos quanto por vídeo, devem ser enviados para o e-mail [email protected], junto com uma frase que autorize a divulgação do mesmo pela SBPC.

Vivian Costa – Jornal da Ciência