Associação da classe rebateu Bolsonaro que os chamou de esquerdistas.

A Revista Fórum  publicou nota da  ADB (Associação dos Diplomatas Brasileiros)  defendendo a escolha da ex-vereadora Marielle Franco (Psol) como patrona da turma de 2016 do Curso de Formação do Instituto Rio Branco.

Segundo a associação, a escolha de Marielle, assassinada em março de 2018 junto ao motorista Anderson Gomes, não se trata de uma “opção ideológica”.

 

A vereadora Marielle Franco (Psol) foi assassinada a tiros em 14 de março de 2018 foto: Renan Olaz/CMRJ

O intuito da nota é responder o presidente Jair Bolsonaro, que segundo a Revista Fórum teria criticado a escolha da ex-política do Psol como patrona da turma. De acordo com a reportagem, o presidente teria dito que “todos os diplomatas de carreira são esquerdistas”.

“Vocês sabem o nome da última turma formada pelo Itamaraty, vocês sabem? Se vocês não sabem eu não vou falar. Como jornalistas vocês deviam saber, pelo amor de Deus. Vocês não sabem o patrono… A patrona – foi uma mulher, tá? – da última turma do Itamaraty? Penúltima”, teria afirmado Bolsonaro à imprensa.

Veja a íntegra da nota:

A Associação dos Diplomatas Brasileiros (ADB/Sindical), que congrega mais de 1500 associados, vem a público reiterar os valores de integridade, ética, respeito e isenção política, ideológica e partidária que fundamentam a atuação dos funcionários do Ministério das Relações Exteriores.

Nesse sentido, a entidade esclarece que a escolha da Vereadora Marielle Franco como patrona da turma de 2016 do Curso de Formação do Instituto Rio Branco não representa necessariamente opção ideológica dos formandos, menos ainda dos integrantes do MRE, que abriga servidores dos mais diferentes matizes ideológicos, sem que isso interfira no histórico empenho do Itamaraty na promoção incansável dos interesses nacionais.

A eleição do patrono/patrona de cada turma é democrática, e ao longo dos anos já foram homenageadas personalidades que perpassam todo o espectro político.

A escolha do nome da Vereadora representou essencialmente ato de repúdio a seu covarde assassinato e de defesa da liberdade de expressão, um dos princípios básicos da democracia, e como tal deve ser respeitada e entendida.

Embaixadora Maria Celina de Azevedo Rodrigues
Presidente”