Matéria do jornal Estado de S.Paulo revela mais uma demonstração de incompetência do Miinistério da Saúde na proteção dos brasileiros ao coronavírus.

O Ministério da Saúde comprou milhões de testes do tipo RT-PCR, considerado o “padrão-ouro” para diagnóstico de coronavírus. Mas a larga maioria está parada em estoques porque faltou adquirir os insumos necessários à testagem, como os reagentes. É o que informa o Estadão desta quinta (30).

Segundo o jornal, atualmente há cerca de 9,85 milhões de testes RT-PCR sem uso, nos estoques. O número é quase o dobrou do volume de testes feitos desde o começo da pandemia no Brasil: 5,2 milhões, sendo 2,3 milhões de RT-PCR e outros 2,9 milhões de testes rápidos, aqueles que localizam anticorpos, mas não são indicados para diagnóstico da Covid-19.

De acordo com o jornal, o “governo federal comprou os lotes de exames, mas sem ter garantia de que haveria todos esses insumos, indispensáveis para usar os testes. Estes produtos não são entregues ‘com regularidade’ pela pasta”, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Procurado, o Ministério da Saúde informou que teve dificuldades para encontrar todos os insumos no mercado internacional, mas não “explicou se houve alerta dos técnicos durante o planejamento sobre o risco de os testes ficarem parados pela falta de insumos” e também não comentou quantos reagentes foram entregues aos estados e municípios até agora.

“Dados da pasta mostram que só 1,6 milhão de cotonetes (swab) e 873,56 mil tubos de laboratórios foram enviados até a semana passada – número bem abaixo dos 5 milhões de testes”, descreveu o Estadão.

O governo Bolsonaro fechou contratos para receber mais 23,54 milhões de testes RT-PCR, por 1,58 bilhão de reais.

Fonte: Estadão

Edição: Jornal GGN