Conjur revela métodos medievais da Lava Jato de Curitiba para obter confissões

Do Conjur

Nunca uma transferência foi tão eficiente, rsrsrs”. A frase é do procurador Deltan Dallagnol, à época coordenador da frente paranaense da “lava jato”. Foi escrita em “chat” de procuradores no dia 4 de agosto de 2017. A “transferência” a que ele se refere é a de Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil.

Em conversa com procuradores, Dallagnol disse que ameaça de transferência de preso para prisão insalubre era “eficiente”

Dias antes, em 27 de julho, Bendine tinha sido preso preventivamente na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Mas poderia ser transferido para o Complexo Médico Penal (CMP) — em Pinhais, região metropolitana de Curitiba —, cujas condições são reconhecidamente precárias.

Na conversa, uma outra pessoa tinha dito que Bendine pediu para não ser transferido, sinalizando que poderia fechar um acordo de delação premiada. Foi nesse momento que Deltan ironizou a “eficiência” de uma ameaça de transferência para forçar uma “colaboração”.

O sucinto diálogo deixa claro o que muitos advogados há tempos vêm alertando: o modus operandi do consórcio de Curitiba envolveu decretações de prisão preventiva como forma de pressionar os investigados a fazer acordos de colaboração premiada.

As frases constam do material a que a defesa do ex-presidente Lula teve acesso, após decisão do ministro Ricardo Lewandowski. Os dados foram obtidos por hackers e, posteriormente, apreendidos pela Polícia Federal, no curso da apelidada operação spoofing.

CLIQUE AQUI e leia a íntegra da matéria