Líder do PSL na Câmara Federal, deputado goiano critica demissão de ex-parlamentar do PSL de uma secretaria da Casa Civil e diz que ministro foi covarde, deselegante e autoritário em demitir um aliado pelo telefone.

 

O que já não era bom, piorou. A base governista na Cãmara Federal, principalmente o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro (RJ) está às turras com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O motivo foi a demissão do ex-deputado Carlos Manamato (PSL), que foi candidato ao governo do Espírito Santo e que ocupava no ministério a Secretaria Especial para a Câmara, função na qual era o articulador da Casa Civil junto ao Parlamento.  Para sua função, Onyx escolheu o ex-deputado pelo DEM Abelardo Lupion.

Além de  Manato, outros quatro ex-deputados que atuavam com ele na secretaria também foram demitidos:  Victório Galli (PSL-MT), Marcelo Delaroli (PL-RJ) e Keiko Ota (PSB-SP).  As demissões foram publicadas no Diário Oficial da segunda-feira (10/06).

Líder do PSL na Câmara Federal, o deputado Delegado Waldir reagiu. Disse que o ministro Onyx Lorenzoni estava olhando o próprio umbigo, ou seja, privilegiando o próprio partido, o DEM, em detrimento do partido do presidente. E foi além,  acusou o ministro de ser o responsável pela desarticulação política do governo e de ter tido uma atitude covarde na demissão.

““Para mim, o ministro agiu com covardia, humilhando e abandonando soldados de primeira hora”, disparou Waldir.

Panelinha

Delegado Waldir também acusa Onyx de fazer uma panelinha na Casa Civil. Ele salienta que o sucessor de Manamato, o ex-deputado Abelardo Lupion, é compadre de Onyz e também seu ex-companheiro na bancada ruralista,

“O DEM está extremamente aparelhado. Nós ajudamos a eleger o presidente da Câmara. O PSL foi decisivo. O ministro deveria ter sensibilidade e dialogar, porque política não se faz com decisão autoritária e desrespeito”, desabafa.

O líder do PSL também ironizou a articulação política do governo, conduzida pelo ministro da Casa Civil. “O Onyx acha que está perfeita. Ela existe? O governo tem base? Quem cuida disso é a Casa Civil. Eles que têm de responder por isso.”

Uma das possíveis causas da queda de Manamato seria desentendimentos com o próprio Onyx, que estaria emperrando nomeações de indicados ao governo pelo PSL.

 

“O problema não é de cargos. O que não aceitamos é a falta de lealdade do ministro, que, na primeira substituição, tira o PSL para colocar alguém do DEM”, reclamou Delegado Waldir.

O governo do presidente Jair Bolsonaro ainda não constituiu uma base de apoio no Congresso Nacional, e  segundo Waldir, pelas atitudes do ministro responsável pela agenda política, Onyx Lorenzoni, pode continuar sem base nos próximos meses. (Com informações do Congresso em Foco e Revista Exame).