Em nota nas suas redes sociais, a  Central Única dos Trabalhadores no Estado de Goiás (CUT-GO)  informa que servidores da estatal estão sendo expostos a jornadas de trabalho  sem folga, obrigando-os a hora extra sem remuneração. e ameças, embora esteja em vigor um TAC que impede este tipo de procedimento pela direção dos Correios-GO.

Confira a nota:

Central Única dos Trabalhadores no Estado de Goiás (CUT-GO) denuncia publicamente o assédio moral coletivo a que estão sendo submetidos(as) os(as) trabalhadores(as) dos Correios em Goiás.

De forma autoritária e abusiva, descumprindo leis, os gestores da Superintendência Estadual dos Correios em Goiás (SE/GO) vêm expondo seus servidores a 15 dias de serviço sem folga, convocando-os aos domingos e feriados e obrigando-os a realizar hora extra sob ameaças de punição e processo administrativo, caso o(a) trabalhador (a) se recuse!

Ocorre que está em vigor um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) onde ficou decidido que cada trabalhador tem a liberdade de decidir se aceita ou não a convocação, não podendo sofrer punição em caso de recusa.

Essa ação desumana já vem acontecendo de forma frequente desde o Carnaval. A situação se repetiu nos feriados da Semana Santa e de Tiradentes.

Além da sobrecarga de trabalho, os(as) servidores(as) ainda têm que lidar com o autoritarismo. O medo de retaliações leva os trabalhadores a ceder à pressão.

A empresa não realiza concurso público desde 2011 e lançando mão de sucessivos Planos de Demissão Voluntária (PDVs) vem reduzindo a quantidade de profissionais em atividade.

Essa ação planejada busca minar a confiança da população nos Correios e assim facilitar a manobra que pretende viabilizar a privatização da estatal.

Trabalhador (a) você tem o direito de recusar a imposição de trabalho extraordinário Denuncie! Resista!

Goiânia, 26 de abril de 2021

 

Central Única dos Trabalhadores no Estado de Goiás (CUT-GO)