Segundo agência Xinhua, laboratórios da China e de Cuba estão trabalhando para obter uma vacina, chamada Pan-Corona, que seja eficaz contra diferentes cepas do coronavírus SARS-CoV-2 e previna o Covid-19.

Da Prensa Latina

Segundo informou hoje a mídia a agência de notícias Xinhua, cientistas nacionais e do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB) da ilha das Antilhas estão desenvolvendo o produto em uma instalação aberta na cidade de Yongzhou, província de Hunan (centro), para pesquisas entre os dois países.

Gerardo Guillén, diretor de Pesquisas Biomédicas do CIGB, disse à mídia que o projeto surgiu a pedido do lado chinês e tem a aprovação do Ministério de Ciência e Tecnologia de Cuba. Baseia-se na combinação de partes do vírus que são conservadas e não tão expostas à variação para gerar anticorpos, com aquelas direcionadas às respostas celulares.

“É uma estratégia que poderia proteger contra emergências epidemiológicas de novas cepas do coronavírus que possam existir no futuro”, disse ele. Segundo Guillén, eles esperam melhorar as condições de viagem para que outros pesquisadores cubanos possam ingressar no centro de Yongzhou e promover o projeto. Ele também destacou o bom estado dos laços bilaterais no ramo de biotecnologia, onde seu país oferece experiência e pessoal, enquanto o lado chinês apóia com “capacidade científica, de equipamentos, logística e recursos”.

No ano passado, foi concluída a montagem do Centro Conjunto de Inovação em Biotecnologia de Yongzhou, com equipamentos e laboratórios projetados por especialistas da ilha. Lá serão desenvolvidos projetos e tecnologias obtidas pelo pessoal científico de Cuba. Este site é fruto de uma cooperação bilateral e faz parte da política aprovada pelo governo chinês de estimular a capacidade de inovação por meio das administrações locais.