O governo de São Paulo anunciou que todos os municípios do estado estarão sob quarentena rígida durante o Natal e o Ano-novo. Nos períodos de 25 a 27 de dezembro e de 1º a 3 de janeiro, apenas serviços essenciais poderão funcionar. A medida tenta reverter a tendência de aumento na propagação do novo coronavírus, observada nas últimas semanas.

Do Brasil de Fato

No período definido, o atendimento presencial está proibido em shoppings, lojas, concessionárias, escritórios, bares, restaurantes, academias, salões de beleza e estabelecimentos de eventos culturais. Farmácias, mercados, padarias, postos de combustíveis, lavanderias e serviços de hotelaria estão liberados.

Todas as regiões do estado estão em alerta por causa da evolução de casos, internações e mortes. Existe, inclusive, a possibilidade de ampliação do período de maior restrição em alguns municípios. A inclusão do dia 31 de dezembro, por exemplo, está em análise por algumas prefeituras, mas o governo estadual não especificou quais.

 

Houve alta de mais de 50% no total de novos contaminados e os registros de mortes subiram 34% nas últimas quatro semanas. Existe o temor de que as festas de fim de ano podem piorar a situação. O governo apontou que as forças de segurança municipais e a Polícia Militar vão atuar na fiscalização. O coordenador executivo do Centro de Contingência da covid-19, João Gabardo, pediu apoio dos prefeitos para aplicação das medidas.

Após o fim das datas determinadas, os municípios voltam para as fases de restrições anteriores, mas nenhuma cidade poderá entrar na etapa verde durante todo o mês de janeiro. No dia 7 haverá uma revisão do Plano São Paulo de retomada.

Questionado se o período definido para as medidas mais rígidas seria suficiente, Gabardo ressaltou que a evolução da pandemia será acompanhada dia a dia e que a situação de cada cidade poderá mudar a partir da segunda semana de janeiro.

 

A ocupação de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) está mais pressionada em Presidente Prudente, atualmente na fase vermelha de restrições. Todo o resto do estado está na fase amarela. No entanto, Sorocaba e a região do ABC Paulista exigem atenção. Em ambas, a ocupação dos leitos de UTI está em níveis próximos ao limite para permanência nas fases menos restritivas.

O governo fez um apelo à população para o período do fim de ano: as festas privadas com grupos maiores precisam ser evitadas. O pedido vale, inclusive, para celebrações em família, levando-se em consideração que no ambiente familiar as pessoas tendem a abrir mão dos cuidados. Há ainda a recomendação para que não haja aglomerações nas praias. “Não é lógico, neste momento, levar famílias e famílias para aglomerações nas praias”, ressaltou Gabardo.

Edição: Camila Maciel

 

Leia também:

:: Brasil tem fim de ano com covid em forte alta, mas sem plano de enfrentamento ::

:: Você não vai se transformar em jacaré: 10 mentiras sobre vacinas que circulam por aí ::