Foram 1 milhão de casos em menos de um mês; Wellington Dias diz que MS prometeu vacina a estados até 21 de janeiro. Goiás  não registrou mortes nas últimas 24 horas.

Cristiane Sampaio – Brasil de Fato | Brasília (DF) – Brasil ultrapassou, na quarta-feira (16), a marca de 7 milhões de infectados pela covid-19. Com novas 70.574 confirmações nas últimas 24 horas, o país atingiu o maior patamar até agora em termos de números de casos de novo coronavírus em apenas um dia

Considerando marcas anteriores de 5 e 6 milhões de casos de covid, desta vez o ultimo milhão de casos foi registrado em um intervalo mais curto, de apenas 26 dias – Nelson Almeida/AFP

O recorde anterior era do dia 29 de julho, quando se teve 69.074.

Diante dos números desta quarta, o total agora é de 7.040.608 de brasileiros contaminados pela doença, segundo boletim do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). Apenas o estado de São Paulo não apresentou os números das ultimas 24 horas e por isso não entra na conta desta data.

Considerando as marcas anteriores de 5 e 6 milhões, desta vez o ultimo milhão de casos no país foi registrado em um intervalo mais curto de tempo. Entre 7 de outubro e 20 de novembro, o Brasil saltou de 5 para 6 milhões de casos, ou seja, em um período de 44 dias. Desta vez, para sair de 6 milhões e atingir a marca de 7 milhões, foram apenas 26 dias, o que demonstra um maior descontrole no ritmo da pandemia em solo nacional.

Segundo o Conass, a média móvel de casos foi de 44.594 nos últimos sete dias. No dia 1º de dezembro, ou seja, quinze dias atrás, ela estava em 38.297.

O número de óbitos também segue em alta: foram mais 936 em apenas um dia. Agora o Brasil computa um montante de 183.735 mortes pelo novo coronavírus. A média móvel está em 677, considerando os registros da ultima semana.

Leia também: Governo anuncia cronograma de vacinação: entenda disputa política que envolve tema

E a vacina?

Após intensas pressões e articulações políticas de gestores estaduais e municipais, o governo Bolsonaro apresentou formalmente, na manhã desta quarta-feira (16), o plano nacional de imunização contra a covid-19. Segundo o prognóstico, 51 milhões de pessoas devem ser vacinadas no país na primeira do processo, que terá duração total de 16 meses. A gestão, no entanto, não informou em que data pretende começar a aplicar as doses, o que gerou novas críticas.

Horas depois, após mais um encontro entre gestores locais e Ministério da Saúde (MS) em Brasília (DF), o presidente do Consorcio Nordeste e governador do Piauí, Wellington Dias (PT), disse à imprensa que a ideia é iniciar a vacinação até 21 de janeiro. O mandatário afirmou que a informação foi dada pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que não se pronunciou oficialmente sobre a questão.

“Nós acertamos aqui um procedimento por parte do MS que prevê assinaturas de contrato, negociações em condições de até 21 de janeiro – via Fiocruz, via Butantan, via Pfizer ou outras [farmacêuticas] que venham a fornecer vacina – se ter as condições de início de vacinação no Brasil. Pode ser antes, mas o cronograma é de não ser depois”, afirmou Dias.

Goiás

Goiás não registrou nenhuma nova morte pela covid-19 nas últimas 24 horas. A informação é de boletim divulgado na quarta-feira (16/12) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO). Segundo a pasta, foram contabilizados 1.713 novos casos entre terça-feira (15) e ontem(16).

Do total de 297.368 contaminados registrados no território goiano, 286 mil se recuperaram do vírus. Foram notificados até o momento 6.586 óbitos pela doença.