Goiano de Piracanjuba, Sebastião Melo ignora a gravidade da pandemia que pode tornar a capital gaúcha a ” Manaus do Sul”.

O Rio Grande do Sul vive um dos piores momentos da pandemia de covid-19. Ontem o governo do Estado determinou acionamento da Fase 4, Nível C do Plano de Contingência, a última e mais crítica etapa do plano estadual de enfrentamento ao coronavírus.

Em reunião virtual, entre o governo do Rio Grande do Sul e a Famurs, a secretária de Saúde, Arita Bergmann, destacou a situação próximo do colapso que vive o RS, com mais de 90% da ocupação de UTIs, e orientou o uso de todas as estruturas hospitalares para o atendimento de pacientes.

“Usem toda a estrutura do hospital, usem o bloco de cirugica, as salas de recuperações. Vamos criar ambientes pra receber mais gente, tudo aquilo que for possível. Esgotamos inclusive a possibilidade de buscar qualquer outra alternativa para acolher as pessoas, especialmente nas UTIs”, anunciou a secretária, ao dizer que mesmo a abertura de 60 novos leitos de UTIs por dia seria insuficiente para atender a demanda.

Não obstante a gravidade da situação  o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), usou as redes sociais para exortar os poroalegreses ao sacrifício para manter funcionando a economia.

“Contribua com a sua vida para que a gente salve a economia”, diz Sebastião Melo, em vídeo.

A fala do prefeito vai na contratamão da decisão do governo estadual que orienta o isolamento social e paralisação de atividades económicas para salvar vidas e conter a evolução do número de contágios.

Em seu blog no site Brasil247, o jornalista Jefferson Miolarelata que a capital gaúcha  se aproxima cada vez mais do cenário lúgubre de óbitos domiciliares e de sepultamentos em valas comuns. O sistema municipal de saúde está colapsado e o sistema funerário poderá entrar em pane.

Em consequência da gestão irresponsável e incompetente do governo, sobram pacientes desesperados nas filas pela sobrevivência enquanto faltam leitos de UTI, respiradores mecânicos, oxigênio, EPI’s etc”, informa.

 

Para Miola, o prefeito Sebastião Melo imprime em Porto Alegre a orientação irresponsável do presidente Jair Bolsonaro, que ontem fez live criticando o uso de máscaras de proteção, justamente no momento em que em todo o país aumentam as mortes e os contágios por Covid-19.

Sebastião de Araújo Melo nasceu em 24 de julho de 1958 em Piracanjuba (GO).  Chegou ao Rio Grande do Sul em 1978, quando se filiou ao PMDB. Ele se formou em Direito na Unisinos, Depois de se formar, advogou de 1989 até 2000, quando se elegeu vereador pela primeira vez em 2000. Ele se  reelegeu mais duas vezes. Presidiu a Câmara Municipal em 2008 e 2009.

Em 2012, foi eleito vice na chapa de José Fortunati (então PDT, hoje PTB). Em 2016, foi derrotado no 2º turno por Nelson Marchezan Júnior (PSDB). Em 2018, elegeu-se deputado estadual e no ano passado foi eleito prefeito com um discurso bolsonarista: negacionista,  anti-comunista e contra o isolamento social.

O preço do discurso é o caos que se vê na cidade, dous meses após a sua posse no cargo de prefeito.