A jornalista Conceição Lemes do site Viomundo, denuncia que kinikinau, que não têm nenhuma área demarcada –  eles  ficam na terra indígena Cachoeirinha, do povo Terena, em Miranda (MS) –  foram atacados na madrugada de quinta-feira, 1º de agosto, pela polícia militar do Estado do Mato Grosso do Sul.

De acordo com a jornalista, os Kinikinau retomaram uma parte da terra tradicional deles, situada numa  fazenda que hoje está em nome do Bradesco. “Porém, no decorrer do dia, eles foram atacados de surpresa e expulsos com truculência pela Polícia Militar (PM) de Mato Grosso do Sul, provavelmente a mando de grandes fazendeiros e políticos ruralistas da região”, informa.

“Foi um despejo violento e sem ordem judicial de reintegração de posse”, denuncia Cleber César Buzatto, secretário-executivo do Conselho Missionário Indigenista (Cimi).

Segundo Buzatto, os kinikinau estão agora na Terra Indígena Taunay Ipegue, do povo Terena.

A advogada Tânia Mandarino, que atua muito em defesa dos povos indígenas e é membro do Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia (CAAD), nos enviou a nota das lideranças dos Guarani e Kaiowá em apoio total ao parente povo Kinikinawa.

 

Quem são os Kinikinau

Tendo como referência o livro Povos Indígenas do Brasil, de José Luiz de Souza e Giovani José da Silva, publicado pelo Instituto Socioambiental (ISA),o Wikipedia registra no verbete Quiniquinaus:

Os quiniquinaus, também conhecidos como Kinikinau ou Kinikináo são um povo indígena que habita as margens do médio rio Miranda, no estado brasileiro do Mato Grosso do Sul, mais precisamente na Área Indígena Lalima. Constituíram-se como um subgrupo dos guanás.

Durante muito tempo, os Kinikinau foram foram convencidos, pelo órgão indigenista oficial brasileiro, a renunciar à sua identidade, autodeclarando-se Terena – grupo com os qual têm estreitos vínculos históricos e culturais.

Porém, nos últimos anos, os Kinikinau passaram a reivindicar o reconhecimento de sua singularidade étnica e a reconquista de parte de seu território tradicional.

 

Veja a íntegra da matéria e vídeos no VIOMUNDO