“Como a adesão ao isolamento está diminuindo, a curva de novos casos de covid-19 deverá se manter, possivelmente até novembro”, diz pesquisador.

RBA – São Paulo – O Brasil mantém a média diária de mais de mil óbitos e está praticamente a 24 horas do registro oficial de 100 mil mortos e 3 milhões de infectados pela covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. No último período, foram registradas as mortes de mais 1.205 brasileiros, totalizando 98.493. Os dados foram divulgados no início da noite desta quinta-feira (5) pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Conass.

Já o número de novos casos nas últimas 24 horas foi de 53.340. Desde o início da pandemia no país, em março, 2.912.212 pessoas foram infectadas pela covid-19. De acordo com cientistas e até segundo o próprio governo, esses dados são seguramente maiores, já que a subnotificação é uma realidade no país. Mesmo com a subnotificação, a curva epidemiológica do vírus no Brasil não mostra nenhum sinal de regressão.

No epicentro

O Brasil segue como epicentro da covid-19, posto que ocupa há mais de um mês. Isso significa que, durante este período, o país foi o que mais registrou mortes diárias no mundo.

Já o estado mais afetado segue São Paulo. São 24.448 mortes confirmadas pelo vírus, além de 598.670 infectados. A capital paulista ultrapassou as 10 mil mortes hoje (6). E representa mais de 40% das mortes em todo o estado, e 10% das vítimas do país. Sozinha, a maior cidade brasileira tem mais mortos que países inteiros, como Chile, Argentina, Alemanha e China.

• Brasil se aproxima de 100 mil mortos pela covid-19. Mudanças são urgentes, diz Fiocruz

Flexibilização

Mais da metade das mortes no estado de São Paulo ocorreu em apenas um mês. O agravamento da situação coincide com o fim de medidas de isolamento social, decretado pelo governador João Doria (PSDB). No início de julho, o tucano passou a abandonar, progressivamente, as medidas de proteção sanitária que vigoraram desde o fim de março, sem nunca terem sido rigorosas.

O cenário se repete em outros estados, como o Rio de Janeiro, segundo mais afetado. A flexibilização significou o recrudescimento da pandemia em muitas regiões. No Paraná, por exemplo, houve explosão de casos. Na capital, Curitiba, após semanas de pandemia controlada, o cenário é preocupante. A taxa de ocupação das UTIs passa de 90% e o sistema de saúde apresenta sinais de colapso.

O fim das medidas de isolamento social foi justificada por muitos governantes após uma breve tendência de estabilidade – o chamado platô – no número de casos e mortos, ainda que ambos em números elevados. “Alguns dirigentes têm usado o platô como argumento para relaxar as medidas de isolamento social. Mas, na realidade, o platô é a assinatura do fracasso das políticas de contenção”, criticou o professor e pesquisador de matemática aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Eduardo Massad, em seminário on-line promovido pela Agência Fapesp.

“Toda curva epidêmica que se preze tem de atingir o pico e começar a cair”, acrescentou o pesquisador. “Mas, como há evidências de que a adesão ao isolamento está diminuindo, muito provavelmente a curva de novos casos vai se manter. Na cidade de São Paulo, por exemplo, ela deve se estabilizar em 17 mil novas infecções por dia até, possivelmente, novembro.”

Sem controle ou ações do poder público, pandemia de covid-19 não dá sinais de arrefecimento