Ex-alunos do Colégio Imaculada Conceição em Ceres, como eu, o jornalista Luis Cláudio narra a situação atual da instituição que é um marco para a cidade e todo Vale do São Patrício. Escrevendo para o portal Cenários  ele narra que “é preciso que a sociedade, ex-alunos e todos que amam o Imaculada, que pressionem os responsáveis”, que querem vender a área e derrubar o prédio.

 

 

Imagem: Reprodução

 

COLÉGIO IMACULADA: Não começou bem, não continuou bem, e agora, é preciso acabar bem

Por Luis Cláudio

 

Meu Pai mudou para Ceres para estudar no Colégio Imaculada Conceição e foi lá que eu e meus irmãos estudamos e fiz muita prova com aquele cheirinho do estêncil, comi muito pastel na cantina da Tia Luzia, estudei em várias salas, até naquela escondida no salão, na turma da Tia Edna. Nunca fui da fanfarra do Marcão, mas estava nos desfiles estudantis e já fui até Padre nas barraquinhas e também já explodi um experimento na feira de ciências. Minha turma do 1° Científico foi a primeira a entrar no laboratório de química com a Professora Sueli e lembra dos grafites nos muros? Foi ideia da saudosa Professora Théia e nós estávamos lá.

Foi no Imaculada que entrei no movimento estudantil, fui um dos fundadores do GEF – Grêmio Estudantil Franciscano e foi também lá que fiz minha primeira campanha política nas eleições do Grêmio (e detalhe, perdemos para a chapa do Mosair) e foi no Jornal do CIC que vi pela primeira vez um texto meu impresso. Aliás foi lá na biblioteca que me apaixonei pelos livros e gostava de escrever minhas redações na pracinha vermelha perto da cozinha, e falando em cozinha deu saudade daquele arroz com sardinha da merenda.

E foi também no Imaculada, nas aulas das Professoras Luztânia e Irene, que aprendi a gostar e aprender a importância da História e o que ela representa, então é desnecessário dizer que para nós alunos o Imaculada era sim nossa segunda casa e a verdade é que as histórias que vivemos no CIC daria um livro e seria impossível traduzir tanto sentimento em um só texto.

E sabe aquela frase que ficava nos murais e dizia “ É preciso começar bem, para continuar bem e acabar bem ” pois é, toda essa polêmica sobre a venda de áreas do colégio, não começou bem, não continuou bem e agora é preciso acabar bem.

E um aluno do CIC jamais foge à luta, sempre fomos as ruas, em defesa do que acreditávamos, jamais nos omitimos, quer um bom exemplo? Já viu aquele poste de cimento cravado na praça próximo a Prefeitura? Nele está escrito em vários idiomas: Que a Paz Prevaleça No Mundo, e fomos nós do Imaculada que o colocamos lá.

Então que toquem o sino bem forte, vamos fazer fila, tomar distância, cantar o hino e dizer em uma só voz: Sim ao Tombamento!

 

Texto: Luis Claudio, Ex-aluno do Colégio Imaculada Conceição e Leitor do Cenário.