Gustavo Mendanha e o vice, Veter Martins, participam da audiência que debateu com os vereadores o tema “Fraternidade e Políticas Públicas”, com a presença do Arcebispo Dom Washington Cruz.

O Brasil vive três anos de recessão econômica. O custo social é representado por 12 milhões de trabalhadores sem emprego e na perda de capacidade dos Estados e dos municípios de investir na manutenção dos serviços públicos. Isto se traduz em menos dinheiro para saúde, educação e ação social.

Diante deste cenário, a Igreja Católica, através da CNBB (Confederação Nacional de Bispos do Brasil) apresentou como tema deste ano para a campanha: “Fraternidade e Políticas Públicas”

A Câmara de Aparecida de Goiânia sediou na manhã de hoje (terça-feiram 12), uma audiência para debater a campanha. O debate teve a participação do prefeito Gustavo Mendanha e o vice Veter Martins participaram. Segundo o Arcebispo Emérito de Goiânia, Dom Washington Cruz, o tema deste ano “Fraternidade e Políticas Públicas” é inspirada no texto bíblico “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1,27).

 

“Pedimos que durante esses quarenta dias que antecedem a páscoa, alimentem-se do amor cristão, através das políticas públicas, que também pode ser chamada de caridade, o que é diferente de políticas partidárias”, clamou Dom Washington, que ressaltou que “esta é uma questão do poder público, mas também da sociedade em geral, que pode ser as mãos longas da cidade, onde o poder público por inúmeros motivos não pode chegar”, explicou.

Ele ainda questionou qual seria a relação da Igreja com as políticas públicas. “A intenção da campanha não é falar de política ou eleições. Pretendemos estimular a reflexão sobre um conjunto de ações a serem implementadas pelos gestores públicos, contribuindo para elaboração de políticas públicas em diversas áreas como saúde, educação, segurança, meio ambiente e outras”, destacou.

 

Parceria

O prefeito Gustavo Mendanha enfatizou a importância desse trabalho para a cidade.

 

“O poder público tem que estar aberto para conversar com a comunidade, igrejas e associações. E hoje a igreja católica através do arcebispo e do reitor da PUC, estão aqui dando uma aula para nós gestores. O que auxilia a todos nós gestores na hora de tomar decisões que visam melhorias para o município”, ressaltou.

A campanha tem como objetivo o fortalecimento da cidadania e o bem comum, além de debater e estimular a participação da sociedade nas políticas públicas. “Nós temos que envolver a comunidade nessa campanha, trazer as políticas públicas para dentro da igreja. Fazer com que o cidadão tenha o conhecimento e possa participar mais efetivamente das decisões de melhoria para a nossa cidade”, pontuou o vice-prefeito Veter Martins.

Antes de finalizar a audiência pública, o presidente da Casa, Vilmar Mariano, entregou a Dom Washington uma placa em homenagem ao Arcebispo por seus trabalhos junto à Igreja para a melhoria da vida das pessoas.  “Representando todos os vereadores e independente de religião, nosso intuito é somar forças com a Campanha da Fraternidade e sermos agentes que auxiliam na conquista dessas políticas públicas para a comunidade”, pontuou o presidente.

A Promotora de Justiça, Suelena Carneiro, representou o Ministério Público de Goiás e ressaltou o oportuno momento para debater tal assunto. “Colheremos frutos desse tema, principalmente por conta da atual fase do país, que passou por inúmeras tragédias recentemente. Não será o presidente, governador ou prefeito sozinhos que resolverão o problema, por isso é necessário compreender como são construídas as políticas públicas e despertar no cidadão o interesse por elas”, pontuou a promotora.

Campanha

A Campanha da Fraternidade é uma campanha realizada anualmente pela Igreja Católica Apostólica Romana no Brasil no período da Quaresma que vai da quarta-feira de Cinzas ao domingo de Páscoa. A cada cinco anos é promovida de forma ecumênica em conjunto com outras denominações cristãs.

Seu objetivo é despertar a solidariedade dos seus fiéis e da sociedade em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos de solução. A cada ano é escolhido um tema, que define a realidade concreta a ser transformada, e um lema, que explicita em que direção se busca a transformação. A campanha é coordenada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

 

 

Por que a Igreja Católica realiza a Campanha da Fraternidade?

✔ A cada cinco anos, a CNBB promove a Campanha da Fraternidade de forma ecumênica, em conjunto com outras denominações cristãs.

✔ Desde 1964, a CNBB propõe um tema relevante para a sociedade brasileira refletir e engajar-se durante a Campanha da Fraternidade.

✔  A Campanha da Fraternidade busca educar o cristão para a vida em fraternidade, com base nas exigências do Evangelho: a justiça e o amor.

✔ A CNBB costuma realizar um concurso anual para escolher o hino da CF, de acordo com o tema do ano. Em alguns anos, acontece também um concurso para escolher o cartaz da campanha.

✔ O gesto concreto da CF se expressa na Coleta da Solidariedade, realizada no Domingo de Ramos.

✔ Os recursos arrecadados na coleta são destinados para projetos sociais, que trabalham pela evangelização e a promoção da dignidade dos pobres.

✔ A campanha já nos convidou a refletir, ao longo dos anos, sobre 55 temas, escolhidos a partir da realidade socioeconômica e política brasileira.

✔ Todos os anos, a Campanha da Fraternidade tem início oficialmente na Quarta-feira de Cinzas.

✔ A CF utiliza o método ver, julgar, agir para conduzir os cristãos a uma reflexão baseada no estudo da realidade a partir do tema do ano e sugerir ações que busquem transformar situações.

✔ As dioceses de todo o Brasil se mobilizam em cursos e formações para estudo do texto-base, buscando a melhor forma de utilizar as diversas peças da Campanha.