Governador, que será o entrevistado do Roda Viva nesta segunda-feira mostra otimismo para superar desafios da pandemia e recessão.

Para o governador Ronaldo Caiado (DEM), Goiás e  o Brasil são maiores do que a crise.

“O Brasil é capaz de abastecer 220 milhões de cidadãos e ainda podemos exportar bilhões de grãos, carnes e outros produtos”, frisa.

 

 

Um dos primeiros governadores a implantar o isolamento social para combater os efeitos da epidemia do Covid19,  Caiado, que é médico deixa claro que salvar vidas vem em primeiro lugar.

A economia, desde que a gente tenha a condição da vida, nós a recuperaremos.”

Isolamento

Caiado reforçou a defensa do isolamento social como forma de combate à disseminação do novo coronavírus, durante a

De acordo com ele, o Brasil terá na segurança alimentar a forma de recuperar sua economia, passado o ápice da contaminação da Covid-19. Mas que, sem a quarentena, a doença pode comprometer e gerar um colapso no sistema de saúde, assim como já fez em países desenvolvidos, a exemplo da Itália e Espanha.

Ronaldo Caiado ressaltou que o País é um dos poucos que tem força para se reerguer o mais rápido possível da crise mundial gerada pela Covid-19.

“Produzimos o que é essencial para a vida, que se chama segurança alimentar. Somos capazes de abastecer 220 milhões de cidadãos e ainda poderemos exportar bilhões de grãos, carnes e outros produtos. Saberemos sair da crise”, garantiu o governador.

Infelizmente, em todo o mundo o novo coronavírus gerou colapso e desemprego, pontuou Caiado. No entanto, ele defende que é preciso sair dessa crise com o menor índice de mortalidade. “Serei muito realizado por cumprir meu mandato tendo lutado até o último minuto para dar qualidade ao cidadão que buscou socorro nos hospitais, mas ficarei frustrado se milhares de pessoas buscarem uma unidade e não ter vaga para atendê-los”, sublinhou o governador, que é médico por formação.

Sem guerra de lados

“Por favor, aguardem! Acreditem no que estamos fazendo”, conclama. Caiado explica que a tendência em todo Brasil é de aumento de casos da Covid-19 nas próximas semanas e, portanto, este não é o momento de entrar em luta por achar que um lado é mais certo que outro. “Não crie essa guerra de lados. Vamos ter uma ação e um norte único. Vamos salvar as pessoas e a vida”.

Ao falar sobre os pedidos para a abertura de comércio e serviços, proibidos por meio de novo decreto editado ontem, disse que nesse momento as pessoas precisam entender que estamos numa realidade que exige prudência. “Se você estiver com seu churrasquinho, você acha que alguém vai lá comprar hoje? Você estará gastando mais. Você estará aberto, mas quem é que vai lá?”, questionou. “Vamos tomar os melhores caminhos para que a gente supere isso”, continuou ao defender a quarentena.

Por fim, o governador afirmou que passada a fase crítica, o Estado vai defender e buscar alternativas para as pessoas que precisam. “O Estado é isso. É a mão forte que estende a quem precisa. No meu primeiro ano direcionei meu governo para os municípios mais carentes e mais humildes, para que tivéssemos dignidade e cidadania. E é assim que vocês vão ver o médico agindo em todo e qualquer momento. Estou priorizando o que meu papel de governador exige, que é preservar a vida”.