Após reunião com prefeitos e empresários, governador apresentou pesquisa da UFG que recomenda fechamento pelo aumento do número de casos no Estado.

O governador Ronaldo Caiado (DEM) pediu apoio a prefeitos e empresários para o fechamento alternativo de 14 dias, em Goiás. De acordo com o G1-Goiás, o pedido foi feito após a Universidade Federal de Goiás (UFG) divulgar um novo estudo que estima um colapso hospitalar em julho, com a necessidade de 2 mil leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e 18 mil mortes por Covid-19 até setembro.

A UFG propôs a estratégia chamada 14 por 14, ou seja, o comércio ficaria fechado 14 dias diretos e, posteriormente, 14 dias em funcionamento, até setembro. A UFG estima que esta estratégia salvaria, em média, 9 mil vidas até setembro.

Caiado diz que a meta é atingir 55% de isolamento social em Goiás para impedir novos contágios e mortes pelo covid19.

O que nós queremos neste momento é chegar ao patamar de isolamento de 55%. Não fazer nada é desumano, irresponsável, egoísta, é as pessoas não terem capacidade – diria mais -, é não terem preparo moral para ocupar os cargos que ocupam.

No dia 15 de abril, o Supremo Tribunal Federal decidiu que os municípios têm poder para determinar regras de isolamento, quarentena e restrição de transporte e trânsito em rodovias em razão da pandemia.

O governador ponderou, nesta manhã, que os prefeitos precisam rever as flexibilizações e ofereceu apoio da polícia, caso eles queiram adotar o fechamento já a partir de terça-feira (30).

Cauado disse ainda que aguarda posicionamento das autoridades municipais, seja publicamente ou por e-mail, para oferecer o suporte necessário para o fechamento do comércio.

“Isso é imoral, desumano, eu não posso aceitar que haja omissão de autoridades. A responsabilidade é de todos nós. Cada prefeito e cada prefeita vai responder pelo caos nos seus municípios. Reflitam bem, analisam bem. Fornecerei as minhas polícias a todos os prefeitos que quiserem que haja cumprimento 14 por 14”, disse o governador.

Com informações do G1