Governador diz em discurso que vai governar mais 3 anos e dois meses com o prefeito, porque prevê que será reeleito em Goiânia.

 

Marcus Vinícius

O governador Ronaldo Caiado (DEM) confirmou seu apoio a uma eventual candidatura do prefeito Iris Rezende (MDB) à reeleição. Isto aconteceu em discurso, no último sábado, durante lançamento de obras da Saneago na região Noroeste.

“Nós vamos governar juntos por mais 3 anos e 2 meses porque você vai ser prefeito dessa cidade por mais 5 anos, Iris”, profetizou.

A declaração apenas confirma aquilo que antevimos em outros artigos: Caiado tem por Iris um sentimento de gratidão desde que o emedebista confiou-lhe a vaga de candidato ao Senado na sua chapa em 2014. Este gesto permitiu Caiado chegar a Câmara Alta e pavimentou sua vitória ao governo do Estado, quatro anos depois, em 2018.

A  gratidão é um gesto nobre, embora nem sempre seja praticado na vida política.  Que o digam Gustavo Bebiano e Luciano Bivar. O primeiro articulou alianças no meio político e empresarial e o segundo cedeu o partido, o PSL, para que Jair Bolsonaro fosse eleito presidente. Ambos, no entanto, são agora personas não gratas no Palácio do Planalto.

Para além da demonstração de companheirismo, a declaração de Caiado tem implicações diretas nas eleições na Capital. Sinalizam para um entendimento mais amplo entre o MDB de Iris e o DEM de Caiado, que governam alguns dos principais colégios eleitorais do Estado: Goiânia, Aparecida de Goiânia, Rio Verde, Catalão. Adib Elias e Paulo do Valle, expulsos do MDB, por força da disputa interna, podem voltar a ter o apoio desta legenda nas suas reeleições em suas respectivas cidades?  Eis a questão.

O tabuleiro politico no interior, por certo, é mais complexo do que na Capital. Em Quirinópolis, por exemplo, o prefeito Gilmar Alves (MDB) tem histórica disputa com o PSDB  do ex-prefeito Odair Rezende e deve lidar com um possível racha do MDB local. A cidade caminha para ter três candidatos, com Gilmar disputando a reeleição – talvez contra o próprio Odair Resende -, e um outro nome, que teria apoio do deputado estadual Paulo Cesar Martins (MDB). Neste caso, em qual dos palanques o DEM estará (lembrando que o partido esteve por muito tempo sob o domínio de Odair, embora várias lideranças rurais sejam simpáticas a Caiado).

Mas considerando apenas Goiânia, a aliança MDB-DEM aumenta o cacife do prefeito Iris Rezende, pois coloca no seu palanque um governador que até o momento tem boa imagem entre os goianienses.  Caiado “está bem na fita” com o eleitor da Capital, conforme demonstramos no artigo “Caiado é um bom cabo eleitoral em Goiânia, Marconi não”. A redução de várias modalidades de crimes na em Goiânia, sobretudo latrocínio e roubo de carros, e grandes operações de apreensão de drogas, geram maior sensação de segurança na população.

Há ainda um longo trecho a percorrer até as convenções partidárias no mês de julho de 2020 e ainda outra caminhada até as eleições de outubro no mesmo ano. Mas pode-se dizer que Iris, sendo candidato ou não, está com vantagem expressiva sobre seus virtuais adversários, sejam quais forem eles. A se manterem até as eleições, os  bons índices de aprovação do prefeito e do governador, a soma de ambos será positiva, podendo ser decisiva na hora do voto.