Mais uma vez, o Brasil quebra seu próprio recorde de mortos por covid em 24 horas ao registrar, nesta terça (23) mais 3.251 vítimas do novo coronavírus – nove pessoas a cada 10 minutos.

da RBA

Já São 298.676 mortes provocadas pelo vírus desde o início do surto, em março de 2020. O país deverá passar a marca de 300 mil registros oficiais de mortos amanhã. Na média móvel, calculada em sete dias, morrem 2.436 brasileiros a cada dia. Os números são do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass).

Números da covid-19 no Brasil. Dia com mais mortos. Fonte: Conass

Desde o fim do ano a covid-19 se dissemina de forma descontrolada pelo país. Hoje, mais de um quarto das mortes diárias em todo o mundo ocorrem no Brasil. O país é o epicentro da pandemia no mundo desde o dia 9 de março. O segundo lugar é ocupado pelos Estados Unidos, com três vezes menos mortes contabilizadas nos últimos dois meses, com média inferior a mil por dia. E o dobro da população.

Apenas os norte-americanos superam o Brasil em números absolutos da covid-19. Entretanto, eles praticam uma política de testes abrangente. A subnotificação é admitida até pelas autoridades sanitárias do Brasil e, portanto, a realidade é seguramente mais grave, de acordo com epidemiologistas.

É o pior momento do surto no país. Durante o pico a chamada “primeira onda”, registrado entre junho e agosto de 2020, a média era de 1.102 mortes diárias. Um crescimento superior a 100% em relação àquele período.

Curvas epidemiológicas médias da covid-19 no Brasil revelam o pior momento da crise. Fonte: Conass

Novo ministro

A condução da covid-19 pelo governo Bolsonaro tem como exemplo da má condução a transitoriedade na chefia do Ministério da Saúde. Também hoje, depois de uma semana sem um chefe de fato, Bolsonaro deu posse do cargo ao cardiologista Marcelo Queiroga. Em cerimônia rápida e discreta, o médico foi confirmado como o quarto ocupante da pasta durante o período da pandemia.

O futuro da condução do ministério por Queiroga segue envolta em incertezas. Falando ainda como indicado, ele já deu sinais de seguir a cartilha negacionista do chefe do Executivo. Por sua vez, o demitido general Eduardo Pazuello é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por sua má gestão, que esteve à frente da pasta desde o dia 15 de maio. Então, o país registrava pouco mais de 15 mil mortos. Deixa o cargo durante o pior momento da pandemia, na véspera d confirmação de 300 mil vítimas.

Colapso

Um dia após o país superar 12 milhões de casos confirmados de covid-19, ontem, foram notificados 82.493 novos infectados. O elevado número de contaminações comprovadas confirma a disseminação descontrolada do vírus. E em ritmo de crescimento. Desde março de 2020 são 12.130.019 pessoas impactadas por sintomas do vírus.

Enquanto a covid segue em uma velocidade devastadora, todas as regiões do Brasil passam por colapso em seus sistemas de saúde. Aumentam os relatos de filas para leitos de UTI, sem que a demanda possa ser atendida. Em seis estado, faltam insumos básicos, como oxigênio: Acre, Rondônia, Amapá, Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Ceará. Em outras unidades da federação, como São Paulo, o suprimento deve se esgotar em uma semana. Também já faltam medicamentos anestésicos para intubação.

Vacinação

A pressão cresce sobre o o governo federal, capitaneado pelo negacionista Jair Bolsonaro. O presidente é alvo de denúncias em órgãos internacionais, como ONU e OMS, por sua postura de minimizar a covid-19, taxá-la de “gripezinha”, relativizar as mortes, ridicularizar uso de máscaras, atrasar a vacinação e até mesmo divulgar mentiras sobre a segurança das vacinas.

A vacinação, única saída para a superação da covid no Brasil e no mundo, segue em ritmo lento, em razão da falta de ação do governo Bolsonaro. Até o momento, 12.279.559 de pessoas receberam a primeira dose de uma vacina, ou 5,8% da população. Já receberam a segunda dose e estão totalmente imunizados 1,99%, ou 4.213.859, de acordo com levantamento do consórcio de veículos de imprensa para acompanhamento da covid-19.

RBA utiliza informações fornecidas pelas secretarias estaduais, através do Conass. Eventualmente, eles podem divergir dos informados pelo consórcio da imprensa comercial em função do horário em que os dados são repassados pelos estados aos veículos. As divergências para mais ou para menos são sempre ajustadas após a atualização dos dados.