Presidente disse aos jornalistas que Brasil não pode ser o país do turismo gay, mas quem quiser conhecer o país e  transar com mulher pode vir.

Durante café da manhã com jornalistas, em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro disse que “o Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay. Temos famílias”, ao ser questionado a respeito da decisão do Museu Americano de História Natural de Nova York de não sediar uma homenagem a ele. Completou: “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”.

O escritor Paulo Coelho criticou nesta 5ª feira (25.abr.2019) o presidente Jair Bolsonaro via redes sociais. Respondendo a declaração do presidente, disse:

“Mulheres brasileiras não são uma commodity. Turismo sexual não é uma razão para visitar o Brasil”.

Reação
Em nota à imprensa a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil rebateu às declarações de Bolsonaro e enfatizou que, somente em 2018, o turismo LGBT movimentou US$ 218,7 bilhões. A nota destaca que que países como Israel, Espanha, França, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Grã-Bretanha, Argentina e Uruguai realizam investimentos constantes no Turismo LGBT como forma de aquecimento dos negócios, bem como afirmação e respeito à cidadania.

Misoginia e homofobia
Ao longo de sua carreira política, o presidente já fez várias frases ofensivas às mulheres e aos homossexuais, mas numa entrevista ao CQC, programa que era exibido pela TV Bandeirantes, o então deputado Jair Bolsonaro admitiu que já fez sexo com galinhas:

“Vou confessar uma coisa, a gente ia atrás de galinha no galinheiro. Todo mundo ia na minha cidade. Os mais malandros, iam na bezerrinha, na jumentinha. Era comum naquele tempo, porque não tinha mulher, quer dizer,não tinha mulher como tem hoje”, afirmou.

A entrevista ainda está acessível  no Youtube.

 

Mau exemplo
Como presidente da República, Jair Bolsonaro faria melhor se não destratasse mulheres, homossexuais ou quem quer que seja. O cargo lhe confere autoridade e responsabilidade como Chefe da Nação. No seu juramento como presidente ele jurou defender a Constituição Brasileira, onde está inscrito, nas suas primeiras linhas que “todos os brasileiros são iguais” e que não será permitida discriminação por questões de gênero, sexo, raça, preferência partidária ou opção sexual.

 

 

Confira a nota da Câmara de Comércio e Turismo LGBT.
São Paulo, 25 de abril de 2019

Carta Aberta à sociedade

Em resposta à informação publicada pela imprensa brasileira, contendo a frase “Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”, sendo atribuída ao Presidente da República, a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil vem a público esclarecer:

O Turismo LGBT movimentou USD218,7 bilhões em 2018, segundo dados da pesquisa LGBT Travel Market, promovido anualmente pela Consultoria Out Now/WTM.

Países como Israel, Espanha, França, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Grã-Bretanha, Argentina e Uruguai, entre tantos outros, realizam investimentos constantes no Turismo LGBT como forma de aquecimento dos negócios, bem como afirmação e respeito à cidadania.

A fala apresentada traz em si uma falta grave relacionada ao conceito de Turismo LGBT, que não promove o turismo sexual. Ao dizer que “Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”, o autor da frase sugere que o Governo incentivará o turismo sexual em território brasileiro, o que não é aceitável do ponto de vista moral e ético.

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil e a população LGBTI+ do País repudiam o preconceito e consideram o turismo uma atividade lucrativa, que promove o emprego, melhora a imagem do País no exterior e reafirma o compromisso brasileiro com a defesa dos direitos igualitários.

Combater a visita da comunidade LGBTI+ ao Brasil, além de ser um grave ataque aos direitos universais, impediria a entrada de USD26,8 bilhões na economia brasileira (pesquisa OUT/WTM 2018), colaborando com o desemprego e minando as relações internacionais brasileiras com países que valorizam a democracia e o fim do preconceito.

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil, entidade que defende e promove o empreendedorismo, a empregabilidade e o turismo de e para a comunidade LGBTI+ no Brasil, reafirma seu compromisso com a geração de renda e o combate à crise econômica e institucional no País. Reafirmamos nosso compromisso com o Turismo LGBT ao confirmar a realização da Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT (de 25 a 28 de agosto de 2019 na cidade de São Paulo), bem como com a continuidade das atividades assumidas com a sociedade, inclusive com o Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Câmara LGBT, a EMBRATUR e o Ministério do Turismo, assinado em maio de 2018 com validade de cinco anos.

Atenciosamente,

Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil