Conversas entre ministros e Bolsonaro foram de baixíssimo nível segundo informaram fontes do STF à revista Crusoé e  TV CNN.

De acordo com matéria da CNN,  a reunião ministerial do dia  22 de abril, citada pelo ex-ministro da Justiça  Sergio Moro como evidência de que o presidente  Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal, escandalizou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Para gente que cuida de segurança, uma reunião como essa não caberia nem ser gravada, para o registro de palavrões? Condutas? É como gravar uma ida ao bordel”, afirmou um ministro à jornalista Basília Rodrigues, da CNN Brasil.

Para magistrados, o tom do encontro quebrou protocolos, e o governo deveria imaginar que uma divulgação poderia acontecer. “Isso só mostra a personalidade suicida do presidente. É uma situação complicadíssima”, opinou um ministro do Supremo.

 

Cadeia

Segundo a  a revista Crusoé,  aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acreditam que a divulgação na íntegra do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril pode derrubar dois ministros: Abraham Weintraub, da Educação, e o chanceler Ernesto Araújo.

“Se publicarem esse vídeo na íntegra, Weintraub vai preso por ordem do Supremo (Tribunal Federal) e Ernesto cai”, disse um aliado à revista.

De acordo com a publicação, Weintraub teria defendido a prisão de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), enquanto Ernesto tece duras críticas à China, o que, na avaliação de bolsonaristas, torna sua permanência no cargo muito difícil.

A decisão sobre a divulgação na íntegra ou não do vídeo está nas mãos do ministro Celso de Mello, do STF.