O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi encaminhado com urgência ao Hospital das Forças Armadas, em Brasília, durante a madrugada desta quarta-feira (14). Ele saiu do Palácio da Alvorada por volta das 4h30.

De acordo com a Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência, o mandatário deu entrada na unidade para investigar a origem de uma crise de soluços. O presidente está com dificuldade para falar há 12 dias por causa do problema.

Leia também: Cresce pressão contra Bolsonaro e ampla aliança apresenta superpedido de impeachment

O cirurgião Antônio Luiz Macedo, que operou Jair Bolsonaro em 2018 depois da facada sofrida durante a campanha eleitoral, está a caminho de Brasília para examinar o presidente. O médico também operou Bolsonaro já no cargo de presidente. Segundo o jornal O Globo, o cirurgião vai avaliar a possibilidade de o presidente ser submetido a uma cirurgia.

Em maio, Macedo gravou uma mensagem de áudio na qual o profissional de saúde se identifica como “cirurgião do aparelho digestivo e conhecido no Brasil inteiro”. No áudio, traz informações falsas sobre os estudos de vacinas contra covid-19.

::Em live nas redes, Bolsonaro mentiu uma vez a cada 10 minutos; confira::

A mensagem diz que um colega de profissão de 28 anos de idade teria “morrido testando a vacina”, se referindo ao brasileiro que participava como voluntários dos estudos da vacina desenvolvida pela Universidade Oxford. A pessoa, no entanto, não chegou a receber a vacina e fazia parte do grupo que recebeu o placebo.Um levantamento do jornal digital Poder360 aponta que, caso seja necessária mais uma cirurgia, seria o sétimo procedimento realizado pelo presidente desde a campanha eleitoral.

 

Leia a lista de todos os problemas médicos enfrentados por Bolsonaro:

2018

06.set.2018 – facada: sofre atentado na reta final das eleições e é submetido à cirurgia. Médicos identificaram traumatismo abdominal;

12.set.2018 – obstrução no intestino: submetido a procedimento de emergência depois que tomografia identificou obstrução do intestino delgado;

16.set.2018 – fora de risco: Bolsonaro deixa a UTI, mas permanece hospitalizado;

27.set.2018 – complicações: ainda internado, Bolsonaro apresenta infecção bacteriana após a retirada de um cateter. Ocorrência atrasa alta, prevista para o dia seguinte;

29.set.2018 – alta: o candidato à presidência deixa o hospital 23 dias depois da facada;

2019

28.jan.2019 – colostomia: já eleito presidente, Bolsonaro removeu a bolsa de colostomia. Ficou internado por 18 dias e trabalhou do hospital;

08.set.2019 – hérnia: procedimento para corrigir hérnia decorrente da cicatrização inadequada da parede abdominal. O procedimento durou 8 horas. Foi liberado depois de 8 dias;

23.dez.2019 – queda: presidente cai no banheiro durante a noite e é encaminhado ao Hospital das Forças Armadas;

2020

30.jan.2020 – exames: médicos avaliaram necessidade corrigir cicatriz de procedimentos anteriores e reposicionar tela que o presidente recebeu ao corrigir a hérnia em setembro de 2019;

07.jul.2020 – covid: presidente é diagnosticado com coronavírus;

25.jul.2020 – teste negativo: presidente anuncia que está curado da covid-19;

25.set.2020 – cálculo na bexiga: fez cirurgia para remover a pedra na bexiga e recebeu alta no dia seguinte;

24.nov.2020 – exames de rotina: Bolsonaro se consulta no serviço médico da Presidência;

2021

3.jul.2021 – soluços: o presidente começa a soluçar durante discursos e eventos públicos. A crise se estende por mais de 10 dias. A apoiadores, ele disse que os soluços começaram depois de tomar medicação recomendada após um implante dentário;

10.jul.2021 – mal-estar: Bolsonaro se retira de jantar com empresários. Mais cedo, os soluços atrapalharam discurso do presidente;

14.jul.2021 – nova ida ao hospital: Bolsonaro dá entrada no hospital para investigar a origem da crise de soluços. Ficará sob observação de 24 a 48 horas, não necessariamente no hospital.

 

Leia a íntegra da nota da Secom enviada à imprensa:

“Por orientação médica, o presidente ficará sob observação, no período de 24 a 48 horas, não necessariamente no hospital. Ele está animado e passa bem”.

Edição: Rebeca Cavalcante, do BdF