Os deputados do agronegócio devem compreender o recado do governo chinês que anunciou hoje preferir a soja norte-americana por questões sanitárias em relação ao Covid19.

A China é o principal mercado da soja brasileira. Levantamento mensal da consultoria  Safras & Mercado  revela que 90% da soja foi colhida no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul . Outros quatro estado já colheram mais de 90%, como é o caso de Paraná, Goiás, São Paulo e Minas Gerais.

Justamente neste momento o governo chinês anuncia que vai dar preferência à soja dos produtores norte-americanos.

O anúncio foi curto e grosso:

Membro do ministério da Agricultura chinesa, Wei Baigang afirmou que, durante esta pandemia do coronavírus, “as importações do Brasil não foram afetadas em março, e as importações dos EUA devem crescer”, agora que “a primeira fase do acordo comercial sino-americano foi implementada”.

Porque a mudança?

A China é o principal importador de produtos agrícolas brasileiros. O valor das aquisições pelo país asiático foi US$ 31,01 bilhões em 2019, de acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Em segundo lugar ficaram os Estados Unidos (US$ 7,18 bilhões).

Mesmo sendo o “principal freguês” do Brasil, a China vem sendo maltrada por membros do governo Bolsonaro, como o Chanceler Ernesto Araújo,  o Ministro da Educação,  Abraham Weintraub e o deputado federal Eduardo Bolsonaro, que nas últimas semanas culparam a China pela pandemia do Covid19.

Eduardo é filho do presidente e causou o maior abalo na relação Brasil-China dos ultimos tempos, a ponto de Li Yang, cônsul-geral da China, dirigir carta aberta ao Deputado Federal Eduardo Bolsonaro.

Os termos foram duros:

Eduardo Bolsonaro, em tuíte do dia 1° de abril, repetiu o que Trump fez algumas vezes, chamando o Covid-19 de “vírus Chinês”.

Em determinado momento, Li Yang pergunta ao filho do presidente: “Você é realmente tão ingênuo e ignorante?”, e emendou:

Será que você recebeu uma lavagem cerebral dos Estados Unidos?, indaga o cônsul para logo adiante lembrar que “Por dois anos consecutivos, dois terços do superávit do comércio exterior do Brasil vieram da China, o seu maior parceiro comercial! (…) 

Além do “recado” sobre o comércio entre os dois países o Cônsul advertiu:

(…) A China nunca quis e nem quer criar inimizades com nenhum país. No entanto, se algum país insistir em ser inimigo da China, nós seremos o seu inimigo mais qualificado! Felizmente, mesmo com todos os seus insultos à China, você não conseguirá tornar a China inimiga do Brasil, porque você realmente não pode representar o grande país que é o Brasil. Porém, como é um deputado federal, as suas palavras inevitavelmente causarão impactos negativos nas relações bilaterais.

A coragem de Caiado

A bancada ruralista, que tem cerca de 250 deputados na Câmara Federal, deveria tomar com a máxima atenção o alerta do governo chinês. Não dá para passar a mão na cabeça de Eduardo Bolsonaro e dos seus vassalos Ernesto Araújo e Abraham Weintraub.

Em nome do agronegócio, principal fonte de emprego, renda e divisas da economia brasileira, os deputados ruralistas devem apoiar o pedido de cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro que já foi protocolado na Câmara Federal pela bancada do PSOL.  O filho “03” do presidente é acusado pelo deputado federal Marcelo Freixo (RJ), de crime contra a economia nacional.

O momento exige coragem.

Que a bancada ruralista se inspire em um de seus fundadores, o governador Ronado Caiado, que rompeu com o presidente Jair Bolsonaro, quando este passou a se manifestar contra as medidas de isolamento social, que ameaçavam a vida dos goianos.

Bolsonaro, juntamente com seus filhos e ministros aloprados são uma gravíssima ameaça à saúde e à economia nacionais.

Nosso Hino Nacional diz: “verás que que um filho teu não foge à luta!”.

Esta hora chegou nobres deputados.

 

Leia também:

Cônsul da China escreve carta aberta demolidora a Eduardo Bolsonaro

 

Weitraub critica China e toma invertida do embaixador chinês

 

Eduardo Bolsonaro causa crise diplomática com a China