Comerciantes que atuam no local aplaudem a solução para o problema de enchentes e alagamentos na região central da cidade

A Prefeitura de Goiânia iniciou, nesta terça (9) a construção da rede de drenagem na Avenida Goiás. Os serviços serão feitos em três etapas, nesta primeira, as obras serão executadas entre a Avenida Independência e a Avenida Paranaíba; a segunda, da Avenida Paranaíba à Avenida Anhanguera; e a terceira, da Avenida Anhanguera até a Praça Cívica. Concluídas as três etapas, as obras serão realizadas na outra pista. No sentido Norte-Sul, a previsão é de conclusão no final deste ano; na contramão da Goiás, em agosto do próximo ano.

Com a rede de drenagem, cuja extensão total é de 2,6 km, entre a Praça Cívica e a Rua 4, no Setor Norte Ferroviário, alagamentos e enchentes na região central de Goiânia devem parar

Durante o período, o trecho onde a obra está sendo executada será interditado para o trânsito de veículos, um detalhe que preocupa os comerciantes da via, mas que acaba sendo secundário diante dos benefícios que vai trazer.

“As vendas vão cair 50%, mas em compensação, depois vêm os lucros. Primeiro os prejuízos, depois a gente dá a volta por cima”, diz o Paulo de Oliveira, proprietário da Tropical Lanche, quiosque instalado no cruzamento da Avenida Goiás com a Avenida Independência. Ele diz que foi uma vítima direta de enchente que aconteceu no local, anos atrás, e agora será beneficiado diretamente também.

Quem pensa da mesma forma é o gerente do SalaStar Shopping do Tapeceiro, Manoel Francisco de Souza. Ele teme pela queda nas vendas, mas afirma que vale a pena enfrentar o transtorno agora para ter o problema solucionado. “Vale sim, porque a gente não pode pensar só em nós, comerciantes, tem toda uma cadeia de pessoa que está prejudicada aí pra baixo com esse problema de água, tem que fazer mesmo, porque a melhoria não é só para nós, a melhoria é para todo mundo”,

Preocupação comum entre os comerciantes é com o tempo para a conclusão das obras, como é o caso do Luiz Acácio Athie, proprietário da Luan Decorações. Ele diz que há mais de 30 anos trabalha na Avenida Goiás e todos os anos no período chuvoso acontecem alagamentos e enchentes e lembra do problema que atingiu o Bamerindus, quando “a água entrou um metro, queimou ar condicionado, teve que reformar o banco por inteiro e essa obra com certeza será bem-vinda”. Ele alerta que vai fiscalizar e cobrar para que a obra seja concluída no menor tempo possível e parabeniza o prefeito Iris Rezende “por resolver o problema do Centro de Goiânia”.

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Dolzonan da Cunha Mattos, tranquiliza os comerciantes sobre o andamento da obra. “Cumpriremos o cronograma com extrema rigidez para entregarmos a obra no tempo contratado, ou seja, até o final do ano no trecho Norte-Sul da Avenida Goiás e agosto de 2020 a rede completa, com a construção na outra pista da Avenida”, explica.

Rede de drenagem

A rede de drenagem completa tem 2,6 km e vai da Praça Cívica ao Setor Norte Ferroviário; parte integrante do complexo do BRT, conta com orçamento na ordem de R$ 7,8 milhões.

Os trabalhos de construção tiveram início em maio e, por ser o trecho mais complexo, começaram pela Rua 4, no Setor Norte Ferroviário, onde se dará o lançamento no Capim Puba, de lá passará pela Avenida Oeste, no Setor Marechal Rondon, seguirá pela Rua 74 e subirá a Avenida Goiás, cruzará a Avenida Independência e chegará até à Praça Cívica.

O projeto da rede é audacioso, com utilização de tubulação em Ribiloc (PVC), de 500 mm de diâmetro, na Praça Cívica (início), e de 1.600 mm de diâmetro (1,60 m), no Capim Puba, onde será o lançamento. A capacidade de vazão é de 10 mil litros de água por segundo.

fim