As máscaras descartáveis produzidas, principalmente, de tecido sintético conhecido como TNT estão sendo amplamente utilizadas pela população pela praticidade, custo baixo e por não necessitar de ser lavada.

Mas a necessidade do uso, ao mesmo tempo que evita a transmissão e contaminação da Covid-19, trouxe um agravante: o descarte incorreto das máscaras descartáveis. Estima-se que o TNT leve de 400 a 450 anos para se decompor na natureza e as autoridades sanitárias do mundo já estão preocupadas com esta nova forma de contaminação ambiental.

Não existe um montante aproximado da produção de máscaras descartáveis dos últimos meses, mas é fato que os números são estratosféricos. A Associação Brasileira da Indústria Têxtil, por exemplo, mobilizou centenas de empresas para produzir e doar 13,5 milhões de máscaras descartáveis e de tecido. Os presidiários do Estado de São Paulo produziram até maio deste ano 1,5 milhão de máscaras de TNT.

Impacto das máscaras descartáveis na naturezaMáscaras descartadas indevidamente foram encontradas nas areias e trilhas naturais em Hong Kong, região administrada pela China, onde a maioria dos 7,4 milhões de habitantes faz uso das proteções faciais para o combate a Covid-19. Ambientalistas estão alertando que esses resíduos representam uma grande ameaça à vida humana, marinha e aos habitats dos animais selvagens. Além de agravar a poluição, este lixo é um risco por aumentar uma possível disseminação do novo Coronavírus.

No Brasil, a situação não é diferente. Usinas de reciclagem de lixo estão tendo que ter estrategias diferenciadas com os catadores para evitar que eles se contaminem com máscaras descartadas indevidamente no lixo reciclável. Mesmo com equipamentos de proteção, se os funcionários encostarem numa máscara contaminada e levarem a mão ao rosto, podem ser infectados pela Covid-19. Algumas cooperativas estão deixando os lixos em quarentena antes de serem separados.

COMO FAZER O DESCARTE DAS MÁSCARAS DE FORMA CORRETA

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES) alerta que existe uma maneira correta para descartar máscaras e luvas usadas. É preciso colocar os materiais dentro de dois saquinhos plásticos (um dentro do outro), amarrar bem forte e jogar no lixo comum, o que chamamos usualmente de “lixo do banheiro”.

É importante ressaltar que a máscara de proteção ou qualquer material descartável usado para conter a pandemia, como luvas ou aventais, não devem ser jogados em lixo reciclável. Se os materiais tiveram contato com uma pessoa contaminada, o cuidado deve ser redobrado e deve ser sinalizado ao ser colocado no lixo em um saco plástico com os dizeres RISCO DE CONTAMINAÇÃO.

Como descartar as máscaras usadasNOVO HÁBITO DO USO DE MÁSCARAS

Desde o inicio da pandemia do novo Coronavírus, em março de 2020, as máscaras de proteção passaram a ser mais utilizadas e, em junho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou suas recomendações e indicou sua utilização em estabelecimentos públicos. Muitas cidades no Brasil decretaram uso obrigatório e ainda estipularam multas em caso de descumprimento.  No Distrito Federal, por exemplo, desde 11 de maio quem estiver sem máscara nas ruas ou locais públicos poderá ter que pagar multa de R$ 2 mil.

O uso de máscaras já era um hábito comum entre os orientais e passou a fazer parte do dia a día de todos. Muitos acreditam que sua utilização continuará a fazer parte da rotina da sociedade por questões de higiene e saúde, mesmo após o controle da Covid-19.

No Japão, as pessoas usam máscaras quando estão doentes, por respeito, para não infectar os outros. Hoje em dia, ela é sinal de proteção e solidariedade, já que a pessoa doente reduz o contágio e, a saudável, evita de se contaminar. Não se trata apenas de um uso de emergência para proteção individual, mas de uma estratégia de segurança coletiva, que fará com que as pessoas, daqui para frente, se protejam mutuamente.

Máscara descartável jogada no marCom 20 milhões de casos confirmados em 188 países e territórios e 730 mil pessoas mortas pela Covid-19, segundo dados divulgados em 10 de agosto de 2020 pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, esta pandemia é o divisor de comportamento mais determinante dos últimos 100 anos. As rotinas e hábitos da sociedade foram alterados em todo mundo de forma disruptiva.  O distanciamento social passou a ser recomendado como a melhor forma de prevenir o contágio. Além disso, a higienização frequente das mãos, seja com álcool a 70% ou com água e sabonete, virou uma nova regra.

Especialistas advertem que um boa máscara deve proteger o nariz e a boca e permitir o movimento natural quando a pessoa conversa, porém evitando abertura em suas laterais. O objetivo da máscara é evitar que gotículas de saliva sejam lançadas ao ar e impedir também que gotículas de outras pessoas cheguem ao rosto, lábios, nariz e olhos.

RECOMENDAÇÕES DA NEOENERGIA SOBRE O USO DE MÁSCARAS

Para preservar o meio ambiente, a Neoenergia tem disponibilizado para seus colaboradores, que estavam em home office e agora estão retornando para as instalações da empresa, um kit de máscaras laváveis para uso individual e permanente em todo o período laboral, bem como para os deslocamentos de ida ao trabalho e volta para casa. A empresa optou por máscaras laváveis por serem mais duráveis e gerarem menos resíduos sólidos.

Desde o início da pandemia de Covid-19, a Neoenergia tem seguido todas as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) a fim de preservar a saúde e a segurança de seus colaboradores. Para receber àqueles que estavam exercendo suas atividades em casa, a Companhia preparou um plano de retorno dividido em etapas, com o intuito de garantir um espaço adequado, que comporte as pessoas, e cumpra sempre o distanciamento físico necessário.

Durante todo esse período, a Neoenergia investiu em rigorosas práticas de higiene, limpeza, saúde e segurança. Entre as recomendações, a holding do setor elétrico tem orientado o uso obrigatório de máscaras para 100% dos colaboradores, independentemente da função e/ou faixa etária. Além das máscaras, todos os colaboradores têm à disposição outros equipamentos de proteção facial complementares, como o protetor facial estilo face shield para quem trabalha em funções administrativas. Na operação, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) como o óculos  mais balaclava, além do protetor facial complementam a proteção.

Fonte: Instituto Ikatu