Em 5 meses, a cidade expandiu de 3 para 12 os postos de testagem com amostras do tipo RT-PCR, considerado o mais eficaz, e agora se prepara para abrir o 3º drive-thru, onde a testagem já alcançou 65 mil aparecidenses.

Aparecida já testa mais a sua população, em números proporcionais, do que Goiânia, Goiás e o Brasil. Com 65.828 exames somente do tipo RT-PCR realizados até esta terça-feira (11), a cidade testou 11,3% dos 578.179 moradores locais, alcançando um índice de testagem que é mais que o dobro da capital (5,27%) e o triplo do Estado (2,75%) e do País (2,53%).

A comparação leva em conta os dados fornecidos pelas secretarias de Saúde de Aparecida, de Goiânia e do Estado de Goiás, e pelo Ministério da Saúde (MS). A capital informa ter realizado mais de 80 mil testes até esta segunda-feira (10), e o Estado, 193.682 até hoje. Segundo boletim epidemiológico do MS, o governo federal já forneceu 5.324.948 testes RT-PCR.

Em números absolutos, a quantidade de testes aplicados em Aparecida também é maior que a dos estados do Amapá (39.559 testes), Acre (52.282) e Tocantins, que no último relatório situacional, de 06 de agosto, contabilizava 40.984 amostras. E de grandes capitais brasileiras, como Aracajú-SE (51.618), Florianópolis-SC (27.014) e Vitória-ES (28.877), de acordo com os boletins epidemiológicos divulgados até esta quarta-feira.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Aparecida ressalta que a cidade atingiu a taxa de 113 testes para cada 1.000 habitantes. Em termos de comparação, segundo dados da plataforma Our World in Data, usada pela Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, até 21 de julho o Brasil testava, em média, 12 pessoas a cada 1.000 habitantes.

Mais de R$ 10 milhões em testes

Considerados padrão-ouro na detecção da Covid-19, os testes RT-PCR são aplicados pela Prefeitura de Aparecida em 12 postos espalhados pela cidade. Dois desses postos são na modalidade drive-thru, em que a pessoa permanece dentro do carro para fazer o exame. Um terceiro drive-thru deve ser aberto na cidade nos próximos dias.

Segundo a SMS, a Prefeitura de Aparecida já investiu mais de R$ 10 milhões nas amostras para detecção da Covid-19.

Resultado de ações preventivas

Para o prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, a cidade alcançou uma taxa de testagem bastante expressiva. Ele atribui a oferta de testes existente hoje a ações preventivas tomadas pela administração desde o início da pandemia, em março, e ao longo dos últimos cinco meses, conforme o comportamento da doença em Aparecida.

“Assim que foi declarada a pandemia, nós fechamos preventivamente toda a cidade por 30 dias ininterruptos, convalidando a decisão do Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19. Depois, a Prefeitura de Aparecida passou a abrir postos de testagem em toda a cidade, para examinar o maior número possível de moradores”, lembra Gustavo.

Alinhamento às estratégias da OMS

O secretário de Saúde de Aparecida, Alessandro Magalhães, lembra que a testagem em massa para diagnóstico da Covid-19 é uma das principais frentes recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Alessandro salienta que Aparecida tem investido amplamente nos testes em massa. “A oferta de exames do tipo RT-PCR, o melhor para identificar a doença, tornou-se um pilar muito forte em nosso município e as consequências desse investimento se refletem em todos os nossos resultados de enfrentamento à pandemia”, completa o gestor da Saúde.

A Prefeitura de Aparecida investiu também na criação da Central de Telemedicina. De lá, uma equipe médica acompanha rotineiramente, de forma remota, os casos positivos. Ao sinal de qualquer agravamento, os profissionais encaminham os pacientes para atendimento presencial em uma unidade de saúde.

Segundo o secretário de Saúde, o acompanhamento adequado e eficaz a partir do diagnóstico precoce evita que o doente seja internado já em estado muito grave e que evolua para o óbito. “Por isso, em Aparecida de Goiânia, apenas 2,22% dos pacientes necessitaram de internação em um leito de UTI, com média de permanência de oito dias, diferentemente da média nacional de 12 dias”, cita Alessandro Magalhães.

Aparecida também tem um dos menores índices de mortalidade da Covid-19: 1,41%, ou seja, 2,41 vezes menor que o brasileiro e 72% menor do que o do Estado de Goiás.

Moradores de Aparecida têm dois postos de testagem drive-thru à disposição – Foto: Claudivino Antunes

Onde os testes são realizados

Hoje, Aparecida é proporcionalmente a cidade que mais testa em Goiás, com mais de 63 mil exames RT-PCR realizados nos dois drives-thrus (Cidade Administrativa e Centro de Especialidades), nas três Unidades de Pronto Atendimento (Brasicon, Buriti e Flamboyant) e em oito Unidades Básicas de Saúde. São mais de mil testes diários.

Além desses pontos, a SMS está realizando a cada semana, busca ativa por pessoas com sintomas gripais por meio de visitas domiciliares realizadas por agentes comunitários e de endemias. Os agentes já visitaram mais de 14 mil residências nos setores Buriti Sereno, Independência Mansões e Cidade Vera Cruz 1 e 2.

A estrutura de testagem em Aparecida começou a ser montada em março. Relembre:

MARÇO

A Secretaria de Saúde de Aparecida começa a coletar amostras para serem analisadas no Laboratório Central de Goiás. Até aí, eram realizados cerca de 15 testes por semana.

ABRIL

A Prefeitura de Aparecida contrata um laboratório privado para analisar os testes e amplia sua capacidade de testagem de 15 para 300 amostras semanais, com testes do tipo RT-PCR, considerados padrão ouro na detecção da Covid-19.

Drive-thru do Centro de Especialidades, no Jardim Boa Esperança – Foto: Enio Medeiros

MAIO

Além de oferecer testes nas três UPAs da cidade, a Prefeitura de Aparecida faz uma testagem domiciliar com 1.200 amostras, que identificaram 5 pacientes assintomáticos.

Foi o mês, também, em que a Prefeitura de Aparecida ofertou mais de mil exames para profissionais do Hospital de Urgências de Goiânia, que passava por um surto de Covid.

No dia 22 de maio, é aberto o drive-thru de testagem no Centro de Especialidades e iniciado, ainda, o teleagendamento de testes no drive-thru pelo 0800-646-1590. No dia 29, começa a coleta de amostras sanguíneas de pacientes já recuperados para serem usados no tratamento de doentes graves.

JUNHO

Começa em Aparecida o monitoramento dos pacientes que testaram positivo e que possuíam mais chances de evolução para agravamento da doença. Esse monitoramento é feito nas três UPAs, também por meio de drive-thru, onde os pacientes realizam a cada 48h exames laboratoriais para avaliação do estado de saúde.

Além disso, foram distribuídos oxímetros, que medem a oxigenação do sangue, àqueles pacientes que também são do grupo de risco.

No dia 26 de junho, a Secretaria Municipal de Saúde passa a disponibilizar os resultados dos testes RT-PCR pela internet, interagindo com os pacientes por telefone e WhatsApp.

JULHO

É aberto o 2º posto de testagem no formato drive-thru, na Cidade Administrativa, na Região Central de Aparecida.

Dias depois, a Prefeitura de Aparecida, através dos agentes de endemias e comunitários de saúde, começa uma busca ativa nos bairros, passando de casa em casa e fazendo um questionário com os moradores para saber se apresentam ou apresentaram sintomas. Esse trabalho foi iniciado pelos bairros Independência Mansões e Buriti Sereno.