Hospital Municipal construído nas gestões de Maguito Vilela e Gustavo Mendanha continua salvando vidas dos pacientes vindos do Amazonas

“Estou muito feliz, voltando para casa. E aqui tive um atendimento ótimo, melhor do que num hospital particular”. Com essas palavras, Maria Janice Gonzaga Ferreira, de 57 anos, deixou o Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (HMAP) às 15h desta terça-feira, 9 de fevereiro, depois de 20 dias internada para tratar a Covid-19. Ela é a sétima paciente a ter alta médica dentre o grupo de 14 pacientes vindos de Manaus (AM) na noite do último 18 de janeiro por causa do colapso da rede hospitalar manauara.

As altas dos amazonenses têm sido comemoradas pelo prefeito Gustavo Mendanha, que também lamenta as vidas perdidas por causa da Covid-19 e ressalta que “as pessoas não podem se descuidar, a pandemia não acabou, é essencial que se mantenha o distanciamento social e os cuidados preventivos, como a higienização das mãos e o uso correto de máscaras, tapando nariz e boca, sempre que estiver na rua ou com outras pessoas.”

Segundo a equipe multidisciplinar do HMAP, responsável pelo atendimento aos pacientes amazonenses, dona Janice, apesar da diabetes e de ter sofrido um tromboembolismo pulmonar durante o tratamento da fase aguda da infecção pelo novo coronavírus, respondeu bem a todas as intervenções e não precisou ser encaminhado para a UTI. Na tradicional despedida dessa tarde, com balões coloridos no “corredor da vida”, por onde passam aqueles que têm alta, os trabalhadores do hospital aplaudiram a paciente e ouviram palavras afetuosas e de agradecimento dela.

Volta pra casa

De acordo com o secretário municipal de Saúde Alessandro Magalhães, dona Janice está curada da Covid-19 mas continuará o tratamento em Manaus, em casa, com anticoagulantes e o uso de oxigênio domiciliar (fornecimento já providenciado  pela Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas) devido a sequelas causadas pela doença. Ela embarcou na tarde de hoje para Manaus num vôo especial da Força Aérea Brasileira (FAB) que partiu de Goiânia.

Equipe exclusiva  

No HMAP, todos os pacientes com COVID-19 são tratados pela equipe multidisciplinar, gerenciada pela fisioterapeuta Eliene Rosa da Silva, juntamente com as equipes médica e de enfermagem. Os vindos de Manaus têm um grupo de profissionais dedicados exclusivamente a atendê-los separadamente dos pacientes locais.

Vinda para Goiás

O avião que trouxe 18 pacientes vindos do Amazonas aterrissou no Aeroporto Santa Genoveva (Goiânia) às 23h20 do último dia 18 de janeiro. No local, já estavam a postos ambulâncias do Samu de Goiânia para fazer a transferência de 6 pacientes para o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HCUFG) e de outros 12 para o HMAP, sendo que, no meio da madrugada, dois que estavam no HC foram transferidos para Aparecida.