A cidade fez mais de 231 mil exames padrão ouro, dos 516.921 realizados no estado. Número ultrapassa a soma da população de 19 municípios goianos

Desde o início da pandemia, Aparecida de Goiânia tem investido na testagem em massa para diagnóstico da Covid-19. Até  quinta-feira, 25 de março, o município é o que mais realizou exames no estado de Goiás, ultrapassando a marca de 231 mil. Todos eles do tipo RT-PCR, padrão ouro para diagnóstico da doença, conhecido popularmente como “teste do cotonete”. O número equivale a 45% de todos os testes RT-PCR realizados em Goiás, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde. Ao todo, no estado, foram realizados 516.921 exames desse tipo. Em Aparecida, são mais de 1,5 mil pessoas testadas diariamente, pela Prefeitura, desde o início do enfrentamento ao novo Coronavírus.

O número de testes realizados em Aparecida de Goiânia também equivale à soma da população de mais de 19 municípios goianos, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). A somatória leva em consideração as populações de Aragoiânia (10.496 habitantes), Carmo do Rio Verde (10.186), Petrolina de Goiás (10.261), Piranhas (10.272), Rialma (10.940), Paraúna (10.980), Corumbá de Goiás (11.169), Goianápolis (11.224), Edéia (12.467), Cachoeira Alta (12.666), Campinorte (12.764), Nova Crixás (12.945), São Domingos (13.103), Firminópolis (13.449), Vianópolis (13.977), Uruana (13.818), Iaciara (14.082), Maurilândia (14.327) e Nova Veneza (10.018). Juntos, esses municípios totalizam 229.144 goianos, frente aos mais de 231 mil exames realizados somente em Aparecida de Goiânia.

“É como se o nosso município tivesse testado todos os moradores de mais de 19 cidades goianas com população entre 10 mil e 14 mil habitantes. Se analisarmos a região metropolitana, é como se Aparecida sozinha tivesse testado toda a população de Trindade, Aragoiânia, Bela Vista, Nerópolis e Hidrolândia. São números que impressionam e refletem como a testagem em massa tem sido priorizada por nós desde sempre. Não à toa, somos responsáveis por quase metade de toda a testagem do estado de Goiás, que até esta segunda-feira contava com 516 mil exames. Não me canso de falar: aqui nós testamos, monitoramos e cuidamos”, afirma o prefeito Gustavo Mendanha.

Índice de positividade

Conforme dados da Secretaria Municipal de Saúde, dos mais de 231 mil testes realizados em Aparecida, 24% foram positivos para a presença do Coronavírus. Em Goiás, o índice de positividade nos exames RT-PCR é de 46%. “A testagem em massa promovida por nossa cidade inevitavelmente eleva nosso índice de incidência quando comparado a outros municípios. Porém, é aquela velha máxima: se não testa, não tem casos confirmados. Aqui nós testamos muito porque a partir do diagnóstico podemos monitorar e cuidar dos doentes”, explica o secretário de Saúde Alessandro Magalhães.

Histórico

No primeiro mês do enfrentamento à pandemia em Goiás, Aparecida realizava apenas 15 testes RT-PCR por semana. Eles eram disponibilizados pela Secretaria Estadual de Saúde, no Laboratório Estadual de Saúde Pública Dr. Giovanni Cysneiros (Lacen), que atendia todas as cidades do estado. Contudo, após a contratação de um laboratório privado localizado na cidade, a Prefeitura de Aparecida passou a realizar 300 testes diariamente. O número cresceu exponencialmente em um curto espaço de tempo e hoje são feitos uma média de 1,5 mil exames por dia.

Atualmente, os testes estão disponíveis em dois postos de drive-thru (Cidade Administrativa e Hospital Garavelo), mediante agendamento pelo telefone 08020-646-1590 ou pelo aplicativo “Sáude Aparecida”, bem como em oito Unidades Básicas de Saúde (Garavelo, Independência Mansões, Expansul, Tiradentes, Buriti Sereno, Pontal Sul, Alto Paraíso e Chácara São Pedro), mediante encaminhamento médico. O exame também é realizado nas unidades de urgência e hospitais da cidade, em pacientes internados.

Estratégias

Com a ampla testagem, Aparecida de Goiânia consegue diagnosticar os doentes de forma mais precoce. Na cidade, o resultado do PCR fica pronto em até 24 horas e a partir de então os casos confirmados passam a ser monitorados remotamente pela Central de Telemedicina. Se forem do grupo de risco, eles são acompanhados ainda por exames laboratoriais a cada 48h, tomografia computadorizada e oxímetros. Os recursos indicam se o quadro clínico dos pacientes está se agravando. Caso precisem de internação, a cidade tem 176 leitos de UTI e 176 de enfermaria estruturadas exclusivamente para pacientes com a Covid-19.