Municípios da Região entraram no cenário amarelo nos últimos sábado e domingo.

O prefeito Marden Júnior emitiu o decreto 1.937/21,  tendo como base a nota técnica nº 007/21, emitida pelo Gabinete de Operação de Emergência e Saúde Covid-19 (GOE) revelou queda no número de casos positivos da doença desde o dia 20 de março, quando ficou estabelecida a divisão do município em quatro regiões para escalonamento das atividades econômicas.

Em Aparecida A Portaria 040/2021 estabeleceu o cenário amarelo.

A decisão foi tomada a partir de nova avaliação do cenário epidemiológico do município, após 21 dias da suspensão das atividades econômicas não-essenciais iniciada em 15 de março. De acordo com os dados técnicos apresentados pelo secretário de Saúde de Aparecida e coordenador do Comitê, Alessandro Magalhães, a mudança do cenário foi possível em razão do aumento do número de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e enfermarias na rede de saúde, com a continuidade da testagem em massa, medidas de sanitárias implantadas no município, além da redução do número de casos ativos nesse período de 21 dias, apresentando queda no coeficiente de prevalência da doença.

Redução de casos e desafogo nas  UTI’s

O Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid em Aparecida de Goiânia, coordenado pela Secretaria Municipal de Saúde e composto por representantes da Prefeitura, Câmara, Ministério Público, Defensoria Pública e entidades da sociedade civil organizada, informa que a Matriz de Risco, que tem oito indicadores,  que determinam em qual cenário epidemiológico a cidade se encontra e quais regras de isolamento social intermitente por escalonamento regional deve seguir.

Após fazer 41 dias de isolamento social – 1° e 14 de março, quando suspendeu todas as atividades igual as demais cidades da Região Metropolitana, e de 15 de março a 10 de abril quando adotou o isolamento social intermitente por escalonamento regional no cenário de risco alto – Aparecida começou neste domingo, 11 de abril, o cenário moderado-amarelo. Agora, cada macrozona fecha uma vez na semana e a cidade inteira aos domingos.

Durante os 41 dias entre isolamento social horizontal e o intermitente por escalonamento regional, Aparecida conseguiu reduzir a taxa de transmissão e a taxa de ocupação de leitos. Hoje, o valor R se encontra em 0,98 e a taxa de leitos de UTIs público está em 73%.

Escalonamento vs 14×14

O modelo de isolamento social intermitente por escalonamento regional baseado técnica e na ciência que fazem Matriz de Risco tem adesão de 98% da população, o que ajuda no trabalho de fiscalização, possui previsibilidade e não permite ingerência de quem que seja e assim toda a população sabe o que vai acontecer e não precisa viver a insegurança como será o próximo decreto.

Vale ressaltar que modelo de isolamento social intermitente por escalonamento regional é semelhante ao modelo de isolamento social 14 dias abertos e 14 dias fechados, a diferença é quanto a aplicação, assim como em 2020, quando fizeram apenas um ciclo 14×14, Aparecida seguirá fazendo o isolamento social intermitente por escalonamento regional e praticamente fechando uma cidade de Jataí ao dia, porque as macrozonas possuem alta densidade populacional. Em 2020, até chegar no cenário estável – verde foram necessários 60 dias de escalonamento regional.