A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu neste domingo (27) sobre os pedidos de uso emergencial da vacina Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em São Paulo em pareceria com laboratório chinês e da vacina de Oxford, produzida na Índia.

O uso emergencial da Coronavac e da Vacina de Oxford foi recomendado no início da tarde deste domingo pela gerência geral de medicamentos da Anvisa, “tendo em vista o cenário da pandemia, aumento do número de casos e ausência de alternativas terapêuticas”.

Gustavo Lima Santos, gerente de medicamentos da Anvisa falou de incertezas sobre a vacina, como poucos idosos testados e informação de todos os pacientes sobre os intervalos entre a primeira e a segunda dose. Ele aprovou o uso emergencial da Coronavac, “condicionada ao monitoramento das incertezas e reavaliação periódica”.

Logo após o comunicado, procedeu-se a votação dos diretores da Anvisa. Os cinco diretores da  votaram a favor do uso emergencial das vacinas contra Covid-19. Os diretores acompanharam o voto de Meiruze Freitas, relatora dos pedidos.