Olá leitoras e leitores, espero que estejam cuidando bem da saúde e não se esqueçam de sempre usar a máscara e álcool em gel, eles são a maior defesa que temos contra o Covid 19.

Por André Soares

Quero trazer um tema que para alguns pode ser natural e para outros uma grande polêmica. Justamente porque há anos vivemos à mercê do sistema que rotula que quem vence na vida foi por pura sorte e não por competência.

Quantas vezes ouvi alguém dizer que aquela pessoa é sortuda na vida, ou melhor, que teve muita sorte, por isso venceu.

Você já se rotulou de azarado ou sortudo?

São palavras que usamos sem saber o porquê de estarmos usando. Sorte, sortudo, boa sorte e até mesmo o azar são ditados populares que fazem parte da nossa cultura, que buscam amenizar todo esforço feito e assim descredibilizar a conquista alcançada.

Devido a essa cultura popular, após conquistar algo que tanto desejava, na hora de comemorar acabei falando: nossa, como tenho boa sorte. Sou realmente uma pessoa sortuda. E se a conquista não vem, desqualifico tudo que foi realizado com um único gesto: Como sou uma pessoa azarada.

Sem contar que essa cultura popular também cria a comparação desnecessária como: Nossa, aquela pessoa tem boa sorte e sou um azarado.

Para desmistificar esse ditado, preciso entender que na vida não existe sorte, boa sorte ou azar, o que realmente existe é competência, preparo, dedicação, aprendizado, talento e força de vontade para alcançar o que realmente desejo. Nada cai do céu, tudo é construído.

Muitas vezes sou questionado sobre esse tema e gosto de simplificar da seguinte forma:

Boa sorte: é ter uma boa família, ter bons amigos.

Sorte: é encontrar dinheiro no chão, ganhar uma rifa.

Competência: é quando a preparação encontra a oportunidade.

Na competência encontramos duas palavras que normalmente não se dá importância, porque não é utilizada constantemente em nosso dia a dia: a preparação e oportunidade.

A junção dessas duas palavras se torna uma operação matemática: preparação + oportunidade = resultado

Preciso estar atento ao meu comportamento, para entender se estou carregando a crença de achar que a oportunidade é apenas uma sorte que aparece e, se tiver boa sorte, vou acabar agarrando-a.

Essa crença existe porque fomos criados pela cultura do ditado popular que diz: tudo na vida é apenas sorte. Aceitamos a sorte, a boa sorte e o azar por não nos acharmos merecedores e por não querermos nos responsabilizar pelas decisões e ações tomadas.

Nossa, isso aconteceu! Que sorte eu tive!

Ganhei na rifa! Isso foi pura sorte!

Agora quando vivo uma vida de comparação acabo dizendo:

Poxa vida, aquela pessoa tem sorte e eu não!

Nossa, como essa pessoa é sortuda e eu não!

Nunca valorizo a minha conquista e sempre fico comparando à conquista do outro. Assim, vamos criando uma depreciação da nossa própria vida e acabamos não enxergando toda a preparação que fizemos para desafiar e alcançar o objetivo desejado.

Uma lição que aprendi na vida é seguir em frente, vivendo um dia de cada vez, vivendo cada dia melhor que outro, dar sempre um passo de cada vez na direção desejada. Isso é poder se preparar para o grande dia. O dia tão sonhado da conquista.

Uma coisa que não posso esquecer é que o grande dia, são todos os dias.

A oportunidade está na nossa frente todo o dia, toda hora, todo o momento, todo instante, mas se não estiver preparado, acaba não enxergando essa oportunidade.

Estar preparado e ter a mente clara (conhecimento do que realmente desejo), estar com o corpo forte (resistência para continuar enfrentando as adversidades que surgem), quando mente e corpo estão equilibrados diante do caos da vida, cria-se a determinação para continuar avançando.

No local de trabalho somos colocados à prova todo instante, porque somos condicionados a dar resultado. Não posso enxergar isso como algo negativo, pois, se ficar pensando só na cobrança, vou me desgastar fisicamente e mentalmente e não vou enxergar a oportunidade de fazer o meu melhor e, pior, outra pessoa vai fazer melhor e no final acabo dizendo que ela teve mais sorte do que eu.

Assim, vai deixando a oportunidade se afastar dizendo que não tem sorte.

Gosto muito de usar o exemplo das corridas de ruas que faço desde 2016.

Quando decidi correr uma prova de 21km, para as pessoas foi assustador, mas para mim seria algo inédito, uma conquista de vida.

Não podia começar do nada e apenas sair correndo. Então fui modelar pessoas que já tinham corrido prova de 21km. A primeira coisa que descobri foi que todas as pessoas falavam a mesma coisa: antes de correr uma prova de 21km, você precisa treinar pelo menos uma vez correndo 21km.

Não entendia muito porque eles falavam isso, mas resolvi seguir a recomendação. Criei uma rotina de treinos e comecei a todo vapor. Lembro que, antes da prova, já tinha corrido duas vezes 21km.

Finalmente chegou o grande dia. Desde a largada até o final, fiz uma prova solida, rápida e feliz. Na volta para casa fiz uma correlação com a vida.

Oportunidade: Inscrição para corrida.

Preparação: Treinar para correr 21km.

Resultado: Concluir a prova.

Foi nesse momento que entendi porque os corredores falaram que era para correr 21km antes. Na minha cabeça o grande dia seria o dia da prova, mas na realidade o grande dia aconteceu durante os treinos, quando corri 21km por duas vezes.

Por isso o grande dia são todos os dias. É poder levantar e pensar: o que posso fazer de melhor hoje?

Só que quando estou aterrado na angustia, no medo, na dor, no sofrimento, na desesperança não enxergo e nem valorizo a grande oportunidade de estar vivo, de poder acordar e levantar para viver a vida.

Durante a minha jornada, encontro pessoas que dizem:

André, você é louco! André, você não está preparado! André, isso não vai dar certo! André, você não consegue! André, para de fazer isso!

Só que, dentro de mim, eu sei que iria conseguir porque estava preparado,  preparei-me para realizar e conquistar.

Dediquei-me para vencer.

O segredo da minha vitória é:

Arte – aquilo que amo

Ação – estar em busca da minha arte

Auto performance – conquistar a minha arte

As pessoas se assustam quando você vence, não porque elas torcem contra, mas porque elas vivem na zona de conforto e não tem coragem de sair dele para buscar a sua arte (aquilo que ama).

Ao se movimentar, vai criar uma órbita de avançar constantemente e quem estiver ao seu redor será conectado com esse movimento e, além disso, vai querer aprender como conseguir tudo isso justamente porque mostrou que tudo na vida é possível.

Eu te pergunto:

Você tem sorte?

 

André Soares
Coach | Escritor
[email protected]
Instagram @andresoares_coach