Se passarmos a maior parte dos nossos dias exaustos, sem energia e, pior, reclamando de tudo, estaremos vivendo uma vida escravizada pela circunstância e, até mesmo, pela nossa própria realidade de desesperança.

Confira o artigo:

Você é escravo da sua vida?

Por André Soares

 

Todos os dias eu levanto, vou ao espelho do banheiro, olho bem, dou aquela encarada e faço a seguinte pergunta: “Sou escravo da minha vida?”

Precisamos criar a capacidade de responder essa pergunta, que mexe diretamente com a nossa vida e com tudo que está ao nosso redor, pois quando nos tornamos o “senhor da nossa vida”, nada vai nos tirar da nossa rota, nada vai tirar os nossos sonhos.  Não podemos apenas levantar sem saber o que fazer, as nossas ações precisam ser direcionadas para os nossos sonhos.

Quando pergunto para as pessoas se elas são escravas da própria vida, muitas não sabem responder, ou porque não sabem mesmo, ou porque não querem assumir que são “sim” escravas: escravas das circunstâncias, escravas do ambiente e escravas de outras pessoas.

Quando somos escravos, infelizmente afastamo-nos cada dia mais do que realmente queremos para  nossa vida.

Publiquei nas minhas redes sociais um post com a seguinte frase: “As pessoas são escravas daquilo que as domina.”.

A postagem gerou um grande número de pessoas perguntando-me como poderia saber se são ou não escravas da própria vida. Será que o medo é uma forma de escravidão? Isso acontece porque estamos levando a vida no automático e não percebemos o que estamos fazendo, ou para onde estamos indo.

Isso faz com que vivamos uma vida limitada, podendo confundir uma vida agitada (onde vivemos um ciclo vicioso) com uma vida produtiva (cheia de realizações). Muitas vezes achamos que fazer muita coisa de qualquer jeito significa ser uma pessoa produtiva, mas na realidade não tem nada ver com isso.

Quando você é uma pessoa produtiva, termina o seu dia satisfeita e feliz, com a sensação  de que cada ação realizada no dia aproximou você dos seus ideais. Agora, quando termina um dia agitado, você está exausto, sem energia e, pior, sem vontade de fazer mais nada. Parece que tudo que fez foi dobrado.

Se passarmos a maior parte dos nossos dias exaustos, sem energia e, pior, reclamando de tudo, estaremos vivendo uma vida escravizada pela circunstância e, até mesmo, pela nossa própria realidade de desesperança.

Lembro muito bem quando vivia essa vida agitada, sem energia e, achava que estava sendo o melhor no que fazia. No fim de tudo isso, acabei caindo numa depressão profunda chegando ao ponto de não mais valorizar a minha vida, quis me afastar de tudo, de todos e viver isolado sem perspectiva alguma de mudar, chegando ao limite de tentar um suicídio.

Não valorizava mais nada.

Nesse momento de desespero, de angústia e da sensação de ter chegado ao fim do poço, percebi que precisava mudar a minha vida. Não poderia mais viver da forma que estava vivendo. Não poderia mais sucumbir à circunstância que estava passando e, pior, deixando os meus sonhos escaparem pelos meus dedos.

Foi nesse momento que acordei para a minha vida. Tomei a decisão de deixar para trás tudo aquilo que não me fazia mais sentido, aquilo que não agregava mais valor à  minha vida, tudo aquilo que me fazia sofrer. Tomei a decisão de viver a minha vida.

Quando se toma uma decisão, precisa estar convicto e forte, porque o externo, as pessoas que estão ao seu redor e o seu medo, vão trabalhar contra você. Diga (precisa dizer) que isso não tem nada a ver, que a sua vida está boa e que tudo não passa de um momento ruim.

A decisão vem seguida da ação. Não adianta só decidir, precisa entrar em ação.

Muitas pessoas podem se perguntar se precisamos ficar doentes para que possamos mudar, ou passar por alguma fatalidade para que as coisas possam fazer sentido na vida.

Claro que não. Tudo muda quando temos coragem de assumir que a vida que estamos vivendo não é aquela que desejamos. Ter coragem de enfrentar os pensamentos negativos que criamos para alimentar a minha desesperança.

Uma pergunta que se pode fazer para ampliar o autoconhecimento é:

O que tem escravizado você?

Seja sincero consigo mesmo. Olhe ao seu redor e veja aquilo que mais o faz sofrer e, mesmo assim, não tem forças para enfrentar, achando que o tempo ou alguém irá resolver por você.

Muitas vezes não enfrentamos o que nos faz sofrer só para agradar as pessoas que estão ao nosso redor, sendo aquele bom samaritano que diz sim para todos e para tudo, para simplesmente não ficar sozinho ou para não ser excluído, ou apenas para fazer parte de um ciclo. E, no final das contas, tornando-se escravo sem perceber o quanto isto está fazendo mal à sua vida.

Tudo para ganhar reconhecimento.

Outro ponto que nos escraviza é o passado.  Temos a grande capacidade de querer trazer o passado para resolvê-lo no presente. O passado precisa ficar no passado. Se for bom ou ruim, ele não virá para o presente, mesmo que eu queira muito, ele vai ficar no passado. O que passou, passou, não volta mais.

Somos também escravos de hábitos que não achamos nocivos, mas prejudicam demais a nossa vida como: alimentação ruim, bebida em excesso, substâncias químicas, remédios, falta de exercícios, fadiga, reclamação, energia negativa e o mais grave, não que os outros não o sejam, mas quando somos escravos de pessoas: perdemos a noção do que é certo ou errado; acabamos ficando cegos, chegando ao ponto de abandonarmos a nossa própria vida.

Somos escravos daquilo que não gostamos e, quando estamos nessa situação, pode ser pior ainda, pois vamos continuar fazendo, vamos insistir achando que somos persistentes e, no final das contas, vamos sofrer cada dia mais.

Somos escravos das nossas lamentações diárias. Lamentamos tanto que nem percebemos o quanto estamos lamentando das mesmas coisas, chegando ao ponto de viver a mesma situação por diversas vezes e nem nos damos conta de que estamos num ciclo vicioso de lamentação.

E sem contar que falamos mal de outras pessoas. Achamos que isso vai ajudar em alguma coisa mas, na realidade,  estamos nos escravizando a essa vida de comparação, inveja e sem amor ao próximo.

Tudo isso são formas de escravizar uma vida.

Numa palestra que realizei sobre ser escravo da vida, uma participante fez a seguinte pergunta: “Podemos ser escravos dos nossos bloqueios?”

Achei a pergunta muito importante e pertinente, mas acabei respondendo com uma reflexão: “Sim, somos escravos dos nossos bloqueios, mas a grande questão é: você sabe quais são seus bloqueios? Você sabe o que a bloqueia?”.

Senti no ar uma sensação de que estava falando algo que as pessoas não sabiam. Muitas vezes quero mudar algo, mas nem sei o que é. Para ter evolução na vida, precisamos saber o que vamos mudar.

A minha vida  está ruim! Tá bom, mas o que está ruim?

Ah, eu preciso mudar a minha vida! Ok, mas o que precisa mudar?

Ao invés de ficar apontando o erro, precisamos fazer a pergunta certa para ter uma ação direcionada para a verdadeira solução, para aquela situação que nos está escravizando.

Os bloqueios em nossas vidas faz com que sejamos escravos das nossas mágoas, das nossas raivas, da nossa falta de perdão e de amor próprio. Essa situação faz com que a vida dos outros seja melhor do que a nossa. Nesse momento caímos no maior erro, que é a comparação. Quando comparamos a nossa vida com de outra pessoa, desvalorizamos tudo aquilo que já realizamos.

A vida das pessoas é muito melhor. Enquanto isso a minha vida é uma droga.

Isso vai me tornar escravo do meu lixo emocional. Quando isso acontece, não tenho coragem de me livrar das correntes que me prendem a todo instante.

Muitos podem achar que falar ou escrever é fácil, mas não é fácil não. Sabe por que não é fácil? Porque sou um sobrevivente da libertação das minhas correntes. Eu sobrevivi.

Tive a coragem de entender que estava doente e precisava de ajuda. Quando cheguei ao fundo do poço, percebi que o único lugar para sair era por cima e que naquele momento precisava de ajuda.

A mudança da minha vida começou quando entendi que pedir ajuda não é mostrar que sou frágil ou incapaz, ou fraco, ou isso ou aquilo. Pedir ajuda é entender que, para mudar a vida e conquistar seus sonhos, precisamos de pessoas que já passaram por mudanças na vida.

Não adianta pedir ajuda as pessoas que estão iguais à você, porque não terá efeito algum.

Você é a media das cinco pessoas com quem anda. Se andar com pessoas que reclamam, será um reclamão. Se andar com pessoas que vencem, será um vencedor.

Chegou a hora de você ter coragem de libertar-se. Chegou a hora de soltar as correntes que não o fazem seguir em frente. Chegou a hora de se livrar de pessoas que não agregam valor algum à  sua vida.

Chegou a hora de dar um basta em tudo aquilo que o vem escravizando.

Para criar uma sintonia com o seu interior e enxergar o que lhe está  escravizando, comece a reduzir:

O consumo – equilibre a sua alimentação. Aprenda o que comer. Deixe de fazer compras desnecessárias. Compre aquilo que realmente precisa.

A velocidade – deixe de fazer as coisas correndo. Desacelere a sua vida, desta forma você irá aproveitar mais o que vem fazendo.

O lixo – tudo aquilo que vem guardando que não vai acrescentar nada em sua vida. O lugar do passado é no passado e não no presente.

O stress – viva mais a vida. Pratique esporte, leitura, yoga, meditação, exercícios, esses fatores vão fortalecer a mente e o corpo.

A jornada de trabalho – trabalhe o necessário. Não trabalhe para simplesmente pagar contas.

O ego – ter ego não leva a lugar nenhum. Ser humilde e ter gratidão não podem ser apenas palavras bonitas para serem jogadas ao léu, precisam ser colocadas em prática no dia a dia.

Mesmo depois de tudo isso, se você não conseguir livrar-se das correntes que o escraviza, eu estou aqui para  ajudar-lhe a mudar tudo isso. Passei muito tempo escravo da minha vida e quando me livrei, um mundo de possibilidades se abriu diante dos meus olhos e comecei a ir em direção do meu propósito de vida que é SALVAR VIDAS.

 

André Soares
Coach |Escritor

André Soares Santos, formado em Economia, Análise de Sistema, Jornalismo e Marketing. Atualmente, atua no grupo André Soares Coach como CEO, realiza palestras motivacionais, é Life Coach, focado no encorajamento, motivação e amor pela VIDA. Ensina técnicas que facilitam o aprendizado, tornando o indivíduo mais resiliente, com maior bem estar no trabalho, menor suscetibilidade á depressão e maior adaptação às mudanças que a vida nos proporciona.

andresoares.antar[email protected] instagram: @andresoares_coach