Neste artgo nosso colunista fala da necessidade de dar o primeiro passo em direção do seu verdadeiro eu.

Essa semana recebi uma mensagem via whatsapp que dizia: André, quero parabenizar pelo seu trabalho brilhante de poder me incentivar e motivar todos os dias. Aproveitando, quero fazer uma pergunta: Você não para?

Ao receber uma mensagem assim, acredito que todos os dias estou no caminho certo, na jornada que escolhi, na oportunidade que dei para a mudança e que estou em direção ao meu propósito de vida, de ajudar as pessoas a darem oportunidade para a mudança em suas vidas.

Posso olhar para trás e ver que o começo não foi dessa forma. Quebrei cada pedaço da minha vida. Vivi uma vida de puro abandono correndo atrás de coisas que não faziam sentido, mas fazia para todas as pessoas que estavam ao meu redor. Não somos criados para vencer, mas sim para fracassar, para lamentar, para desistir e, o pior, para duvidar da capacidade da sua decisão.

Sobre a pergunta de não parar.
Não paro justamente porque descobri quem é o André Soares. Descobri qual a minha missão, o que realmente quero fazer e aonde desejo chegar. Por isso faço todos os dias, luto todos os dias, sei que vou perder e vencer todos os dias, e mesmo assim vou seguir em direção ao meu propósito de vida.

Desta forma, estimulo a minha vida à busca da alta performance e da hiperprodutividade, que foi o artigo publicado na última semana.(https://www.onzedemaio.com.br/andre-soares-hiperprodutividade-faz-voce-se-arriscar-mais/)

Não encontramos nos livros ou nas receitas escritas o desejo de viver plenamente. O desejo de não parar não se aprende, se vive. Por esse motivo, preciso descobrir quem eu sou e para onde quero ir. O fato de viver o que desejo foi porque olhei para a minha vida e vi que não estava vivendo uma vida satisfeita. Estava vivendo só de reclamação, da mesmice e, sem dúvida, uma vida medíocre.

Quando se vive dessa forma, a mudança não se torna mais uma opção, ela se torna uma necessidade. A necessidade de se reinventar, replanejar e de subir de nível. Chegou a hora de subir o sarrafo da vida.

Ao sentir o gosto da satisfação de viver o que deseja, jamais vai querer voltar atrás. Não vai querer baixar o nível. Vai enfrentar as dificuldades diárias com mais disposição, pois sabe que o resultado será a vitória.

Nas Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro, pude acompanhar o atleta Thiago Braz no salto com vara. Na ocasião ele saltou 6,03 metros de altura batendo o recorde olímpico da competição. Mostrando quanto mais você sobe o sarrafo, mais desafio encontrará para pular. Agora, quando você supera o sarrafo, cria condições de pular mais alto e não vai mais descer de nível.

Thiago Braz travou uma batalha mental e memorável com o francês Renaud Lavillenie. A cada salto de Renaud, Thiago ia e aumentava o seu sarrafo.

Quando o francês pulou 5,98 metros, Thiago decidiu aumentar o sarrafo em 5 centímetros. No momento que o sarrafo subia de nível, o francês não acreditava no que estava vendo. Por sua vez, Thiago estava concentrado e certo do que ia fazer.

Com a mente blindada, Thiago Braz precisou apenas do primeiro salto, dos três que tinha direito, para passar o sarrafo, ganhar a medalha de ouro e se tornar o primeiro campeão olímpico na modalidade.

Nessa busca constante do autoconhecimento para subir o sarrafo, subir o nível, tive que descobrir qual é a minha habilidade. Muitas vezes a altura é grande e dá medo. Nesse momento, preciso usar a minha habilidade para subir de nível.

Qual é a sua habilidade?

Perguntando assim chega a ser simples, mas quando está vivendo uma vida na inércia, não consegue enxergar nada de bom. Só potencializa tudo de negativo para justificar a sua derrota.

Comigo não foi diferente.

Passei 33 anos da minha vida sem encontrar nada de bom em mim. Sempre as pessoas eram melhores, sempre o que o outro tinha era melhor, sem contar que o outro era sempre capaz e eu não.

Vivendo dessa forma, jamais teria condições de enxergar alguma habilidade ou qualidade em mim.

Tudo mudou quando tive a coragem de fazer a seguinte pergunta:
Qual a habilidade que quero desenvolver? No que realmente sou bom?

Nesse momento as portas da reflexão se abriram, a vida se tornou clara e tudo que fazia sentido foi se consolidando a cada dia.
Quando encontramos a nossa habilidade, ela se torna uma bússola que nos direciona para o caminho certo.

Muitos podem achar que nascemos com todas as habilidades possíveis, mas isso não é verdade. Habilidade é desenvolvida de acordo com a jornada que escolhemos para viver.

Ninguém nasce sabendo dirigir o carro. Então precisa desenvolver a habilidade de dirigir para que possa conduzir o automóvel. Depois de desenvolver essa habilidade, não vai esquecer mais.

Ao passar pelo meu autoconhecimento encontrei a minha missão e, com ela, tive que desenvolver a habilidade de ser coach para poder ajudar as pessoas a se salvarem delas próprias. E, dessa forma, ajudar as pessoas a encontrarem a sua habilidade e, assim, terem a oportunidade para a mudança, como eu fiz.
Claro que nada foi fácil. Foi uma luta constante contra a minha mente e os pensamentos que não cessavam, só querendo me deixar na zona de conforto.

Enfrente os seguintes pensamentos:
Não faz isso. Fica no seu lugar!
Para que vai fazer isso?
As pessoas não querem mudar!
Você está perdendo tempo!
Ninguém vai ler suas mensagens!

A chave da mudança é enfrentar e vencer a si mesmo. Não existe outro adversário que devemos superar a não ser nós mesmos. Por isso que a mudança acontece de dentro para fora e só muda quando eu decido mudar.

Todos os especialistas do mundo podem falar o que quiserem, mas se eu não quiser mudar, não vou.

Aprendi que, para impactar a vida de outra pessoa, preciso impactar a minha primeiro. Preciso ser a inspiração para a minha vida.
Acreditar que sou capaz todos os dias. Mesmo que ninguém acredite. Eu tenho fé. Acredito em mim.

Muitas vezes o externo vai dizer:
André, que merda está fazendo!
André, isso que você fala não serve de nada!
André, pode parar de mandar essas mensagens!
André, esse seu trabalho não é para mim!
Mesmo recebendo essas mensagens, nunca vi como algo negativo, sempre busco o lado positivo para melhorar as habilidades.

Claro que, quando recebo algo negativo, no primeiro momento dá aquele impacto e a dúvida vem com força, chegando ao ponto de não querer fazer mais. Respiro fundo, relaxo a mente e começo a pensar no que posso melhorar? Onde posso fazer diferente para seguir em frente?

Quando decido ajudar as pessoas, mexo com a minha zona de conforto e tenho que subir o meu nível de vida. O famoso sarrafo. Pois tenho que conversar com pessoas que não estão no meu ciclo de vida.

Para ampliar a mente, forjar as minhas habilidades, teria que fazer grandes mudanças. A mudança mais forte seria mudar o meu ciclo de convivência.

A mudança não é um dia, nem uma semana, ou duas vezes ao mês. A mudança é todos os dias, a todo o momento.

Por esse motivo eu não paro.

O fato de avançar gera a mudança em minha vida e pessoas acabam querendo saber o que estou fazendo, como a pergunta no início do artigo. E quando alguém pergunta sobre como mudei, sinto que lá no fundo ela quer mudar, mas não tem coragem e, nesse momento, coloco as minhas habilidades em prática para ajudar essa pessoa, mostrando que a mudança funcionou para mim e vai funcionar para ela, basta querer.

Nesse momento entrou em flow (fluxo), ou seja, minhas ações estão me levando para o meu propósito, que é salvar as pessoas delas mesmas. Ensinar que a mudança é possível a partir do momento que me permito mudar.
Falo constantemente que fui programado para ter, mas quando entro no flow do desenvolvimento pessoal, eu começo a acreditar mais em mim.

Um dos maiores erros que cometemos na vida é não entender a diferença entre SER e TER. Achamos que “ser” é ser igual às pessoas. Ninguém é igual à ninguém, justamente porque somos todos diferentes.

Desenvolvimento pessoal é você encontrar a sua arte, encontrar o que você gosta de fazer, o que liga você ao seu interior. Quando entendo quem eu sou, consigo fazer 10x mais do que faço hoje, justamente porque as minhas ações são direcionadas para o meu propósito de vida.

Escuto muitas pessoas falarem que quando tiverem dinheiro, irão focar no seu desenvolvimento pessoal. Isso é uma das maiores crenças sabotadoras que está enraizada em nossa vida.

Quando não me vejo como a pessoa mais importante, com certeza vou sempre me deixar por último e fazer coisas que não se conectam com aquilo que realmente quero fazer da vida.

Depois não adianta ficar lamentado, colocando a culpa nas pessoas.

Quando investi no autoconhecimento, passei por uma porta que sempre esteve aberta, mas tinha muito medo de ultrapassar por não saber o que poderia encontrar do outro lado.
Até quando vai deixar a vida passar sem fazer nada?
Até quando?

A mudança é agora. Ela não foi ontem e nem será amanhã. A mudança é agora.

 

André Soares
Coach |Escritor

André Soares Santos, formado em Economia, Análise de Sistema, Jornalismo e Marketing. Atualmente, atua no grupo André Soares Coach como CEO, realiza palestras motivacionais, é Life Coach, focado no encorajamento, motivação e amor pela VIDA. Ensina técnicas que facilitam o aprendizado, tornando o indivíduo mais resiliente, com maior bem estar no trabalho, menor suscetibilidade á depressão e maior adaptação às mudanças que a vida nos proporciona.

andresoares.antar[email protected] instagram: @andresoares_coach