Em sua análise diária no Jornal Argumento, o experiente jornalista André Maques, adverte as autoridades de saúde para a necessidade de urgência do governo em imunizar a população, que já está exposta à segunda onda do coronavírus

Confira o artigo:

 

Precisamos urgentemente de duas vacinas.

André Marques

Enquanto outros países contabilizam milhões de pessoas recebendo a primeira dose da vacina, aqui, no Brasil, esperamos que os cientistas descubram  a formula  capaz de imunizar o Executivo nacional, o congresso, o senado e também o STF. Todos as instituições  foram contaminadas pelo  poder. Assim já se faz tarde uma vacina que produza humildade e entendimento de que o povo brasileiro não pode esperar por “briguinhas” para depois receber uma dose da vacina que imuniza os cidadãos do coronavirus.

As pessoas estão apavoradas com o novo avanço da COVID 19, que é menos agressiva mas  tem a contaminação maior que a primeira. Infelizmente, até agora,  temos apenas um plano – e eu morro de medo quando o governo diz que  tem planos, pois nunca funcionam.

O “eu acho” é a frase mais usada pelos burocratas da saúde. “Eu acho que começamos a vacinar  dia 20 de janeiro ou eu acho que começaremos dia 25 a imunização do primeiro grupo.” Ainda não existe  uma logística para a distribuição das vacinas. Não tem seringas e agulhas suficientes para vacinarem todos.  Mas o ministro biônico da Saúde fala em usar aviões da FAB, barcos da Marinha para levar aos povoados esquecidos e desassistidos, não por Bolsonaro, mas sim pelo Estado brasileiro,  incapaz de fazer chegar agua encanada e esgoto a quase a metade do Brasil, mas levarão a vacina.

Fico receoso com os critérios anunciados, que prevê entre outros, a vacinação de idosos e do grupo de risco. Não pessimista, apenas lembro que em momentos de tragédias, soldados do exército e outros furtavam doações aos atingidos. Denunciei quando começaram as vacinações contra o H1N1, funcionários dos postos de saúde vendiam as vacinas por R$ 250,00 em média.

A bagunça é tanta que até o STF entrou no processo notificando o ministério da saúde que tem um prazo para apresentar a logística. O STF também julgou a facultatividade das pessoas que passam a não ser obrigados a ser imunizadas. Causa-me espécie o Supremo Tribunal Federal puxar refletores para ele, quando transforma em lei uma recomendação de uma instituição que não tem poder algum na constituição.

Fico aqui pensando: “Na casa que não tem pão, ninguém tem razão” um dito popular que mostra que todos estão perdidos,  Governador de São Paulo, ministro biônico, Presidente da Republica, Presidente do Congresso e do Senado e ai vem o STF e entra na pendenga quando deveria era acabar com ela.

Nossos cientistas devem descobrir com urgência uma vacina que acabe com o Glamour e sedução do poder que contagiou os mandatários dos poderes. Vacinados, este grupo vai enxergar que já  passamos das 200 mil vidas perdidas por conta da covid 19. O vírus que contaminou os donos de nossos destinos, causa entre outras reações, sedução, poder, narcisismo, cegueira, o poder de poder. Males que devem ser retirados do ego dos contaminados.

Temos um presidente que defende a utilização de um medicamento que não tem comprovação cientifica sobre a doença, mas recusa a aceitar uma vacina que já provou ser protetora em mais de  50% de quem a recebe. As pessoas preferem  ser protegidas mesmo   que a proteção seja de 1% do que nada.

E assim vamos nesta torre de babel que virou o processo de vacinação e proteção de que merece e precisa se proteger.

A letalidade da doença.

A morte do prefeito Maguito Vilella rescendeu o debate de que a doença só mata pobre e quem não tem acesso a um tratamento digno. Maguito teve tudo o que a ciência, medicina e dinheiro poderiam protege-lo, mas o vírus não vê classe social, poder aquisitivo, tratamento nos melhores hospitais do mundo. O vírus provou ser letal. Ser resistente ao que há de melhor em tratamento.

Que que a morte de Maguito Vilella não seja apenas a perda de um dos melhores políticos do Estado, mas sim o potencial de destruição que a doença impõe aos contaminados. E não há. No momento, nenhum tratamento melhor que a vacinação. Que quem está no poder leia este recado e comece já a vacinar as pessoas.

A judicialização e politização da vacina vai continuar matando pessoas que votaram naqueles que tem  o poder de salvar milhares de vidas. Assim, torço para a vacinação da sedução do poder para que depois os brasileiros possam receber uma dose da vacina, seja de onde for produzida.