No jornal Argumento,  editado pelo experiente jornalista André Marques, os “pingos nos iis” dos motivos do prefeito para não ser candidato e as suas reais consequências na campanha.

Para muitos políticos, O Prefeito Iris Rezende Machado fez apenas um “charme” ao dizer que não disputara a reeleição em 2020. Esta turma que diz que Iris irá mudar de ideia, “como já fez em alguns momentos na  trajetória do Prefeito, e,  no momento certo,  mudará de ideia.” Diz um parlamentar.

Na verdade não conseguiram ler nas entrelinhas o recado que o prefeito passou diretamente. Em primeiro lugar, Iris, para não cometer nenhuma infração eleitoral, marcou para a sala de reunião de um hotel o anuncio. Assim Iris ainda poderá mudar de ideia.

No entanto, em todos os momentos nestes últimos anos, Iris não dizia que era ou não candidato. Dizia que preferia esperar o tempo passar.  Mas desta vez o prefeito afirmou categoricamente que não é candidato à reeleição.

No entanto poucos ou ninguém conseguiu  entender o recado que foi dado,  ao dizer “encerro hoje minha vida política. Esperarei o resultado das eleições e passarei o comando da cidade ao novo prefeito.” Este é o ponto. Quando Iris disse que encerrava a carreira política, passou um recibo de que não fará campanha para o candidato da situação. Ao dizer que entregará o comando da cidade ao vencedor, foi outra mensagem direta de que a partir do dia do anuncio Iris não mais fará ou participará de qualquer ato político.

Aqueles que acreditavam que Maguito Vilella terá o apoio à campanha – caso seja o candidato do MDB – pode começar a buscar votos, pois se depender de Iris Rezende, o candidato do partido deverá se virar sozinho.

O Jornal Argumento entendeu claramente a mensagem dada pelo prefeito, até mesmo porque não faria sentido o Prefeito dizer que estava, naquele momento, encerrando a vida política, continuar articulando apoio à  quem quer que seja.

Com o anuncio de Iris, a eleição, que caminhava para um final previsível, a reeleição de Iris, agora mudou totalmente. Sem Iris na parada, todos os outros pré-candidatos passam a ter o mesmo peso e potencial  na campanha.

Publicado originalmente no Jornal Argumento