Treze mapas explicam como o controle militar de Israel sobre o povo palestino afeta todos os aspectos de suas vidas.

Na série de gráficos a seguir, a Al Jazira descreve por que a ocupação militar da Palestina por Israel permanece no centro deste conflito de décadas e como o colonialismo israelense molda cada parte da vida dos palestinos.

Fonte: Escritório Central de Estatísticas Palestino (2019), Escritório Central de Estatísticas Israelense (2020), Ministério do Interior de Israel (2020), Instituto para Pesquisa Política de Jerusalém (2020).

O custo humano

Entre 2008 e 2021, pelo menos 5.739 palestinos e 251 israelenses foram mortos. O conflito matou 23 palestinos para cada israelense, de acordo com as Nações Unidas. No mesmo período, pelo menos 121.438 palestinos e 5.682 israelenses ficaram feridos.

Dos mortos no lado palestino, pelo menos 1.255 (22%) eram crianças e 565 (10%) eram mulheres. Do lado israelense, 121 (48%) dos mortos eram forças de segurança classificadas pela ONU .

Categorias por fatalidade conforme definido pela ONU
Fonte: ONU OCHA/18 de maio de 2021

Expulsão forçada

Antes do Mandato Britânico para a Palestina, em 1917, os judeus representavam cerca de 6% da população total.

De 1947 a 1950, durante a Nakba ou “catástrofe”, as forças militares sionistas expulsaram pelo menos 750.000 palestinos e capturaram 78% da Palestina histórica. Os 22% restantes foram divididos em Cisjordânia e Faixa de Gaza.

Durante a guerra de 1967, as forças israelenses ocuparam toda a Palestina histórica (Gaza e Cisjordânia) e expulsaram mais 300.000 palestinos de suas casas.

Após os Acordos de Oslo (1995), a Cisjordânia ocupada foi dividida em três áreas: A, sob controle palestino, B, sob controle israelense-palestino e C sob controle israelense.

Hoje, Israel continua a forçar os palestinos em Jerusalém e na Cisjordânia de suas casas e terras, que muitas vezes são ocupadas por colonos israelenses judeus.

O plano conceitual do presidente americano Donald Trump permitiria a Israel anexar grandes partes da Cisjordânia ocupada e dar aos palestinos controle sobre apenas 15% da Palestina histórica.

Fonte: ONU OCHA

Cidadãos palestinos de Israel

Existem cerca de 1,6 milhão de palestinos com cidadania israelense vivendo no atual Israel. Em 1948, durante a criação do Estado de Israel, as forças sionistas atacaram as principais cidades palestinas e destruíram cerca de 530 aldeias . Esses palestinos, também chamados de “palestinos de 1948”, são descendentes daqueles que conseguiram permanecer em suas cidades e vilas ou foram deslocados internamente.

Apesar de terem cidadania israelense, grupos de direitos humanos documentaram várias dezenas de leis israelenses que discriminam os cidadãos palestinos em um amplo espectro de questões, incluindo educação, moradia, participação política e devido processo legal. Eles são tratados como cidadãos de segunda e terceira classe.

Jerusalém – uma cidade dividida

Jerusalém é uma antiga cidade sagrada para muçulmanos, cristãos e judeus. Jerusalém Ocidental é território israelense desde 1948, com a maioria de judeus. Jerusalém Oriental, que abriga a Cidade Velha de Jerusalém, incluindo o complexo da Mesquita de Al-Aqsa, é de maioria palestina e foi ocupada por Israel em 1967.

Em 1980, Israel aprovou a Lei de Jerusalém , afirmando que “Jerusalém, completa e unida, é a capital de Israel”, em violação ao direito internacional, que afirma que a cidade deveria ser administrada pela ONU por sua importância para as três religiões abraâmicas. .

Embora Israel reivindique Jerusalém como sua capital indivisa, as realidades para aqueles que lá vivem não podem ser mais diferentes . Mais de 140.000 residentes palestinos de Jerusalém foram fisicamente separados da cidade por um muro de concreto de 700 km, que Israel começou a construir em 2002.

Cisjordânia

A Cisjordânia é uma área em forma de feijão que fica a oeste das margens do rio Jordão – de onde vem seu nome. Entre 1993 e 1995, os primeiros acordos de paz palestino-israelenses diretos foram assinados entre o governo de Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Isso levou à formação da Autoridade Palestina (AP) – um órgão administrativo que governaria a segurança interna palestina, administração e assuntos civis em áreas de autogoverno, por um período interino de cinco anos.

No terreno, a Cisjordânia ocupada foi dividida em três áreas – A, B e C.

Área A (18%) – Sob controle palestino – inicialmente compreendia três por cento da Cisjordânia e cresceu para 18 por cento em 1999. Na Área A, a AP controla a maioria dos negócios.

A Área B (22%)   – sob controle conjunto israelense-palestino – representa cerca de 22% da Cisjordânia. Em ambas as áreas, enquanto a AP é responsável pela educação, saúde e economia, os israelenses têm controle total da segurança externa, ou seja, eles mantêm o direito de entrar a qualquer momento.

A Área C (60%) – sob controle israelense – representa 60% da Cisjordânia. Sob os acordos de Oslo, o controle desta área deveria ser entregue à Autoridade Palestina. Em vez disso, Israel mantém controle total sobre todos os assuntos, incluindo segurança, planejamento e construção. A transferência do controle para o PA nunca aconteceu.

Assentamentos israelenses ilegais

Os assentamentos israelenses são comunidades judaicas construídas em terras palestinas. Hoje, há entre 600.000 – 750.000 colonos israelenses vivendo em pelo menos 250 assentamentos (130 oficiais, 120 não oficiais) na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental.

Os assentamentos israelenses são ilegais segundo o direito internacional, pois violam a Quarta Convenção de Genebra, que proíbe uma potência ocupante de transferir sua população para a área que ocupa.

A população de colonos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental está crescendo a uma taxa mais rápida do que a população de Israel. Aproximadamente 10% da população de 6,8 milhões de judeus de Israel vive nesses territórios palestinos ocupados.

Apesar de estarem fora de Israel propriamente dita, esses colonos recebem cidadania israelense e recebem subsídios do governo que reduzem significativamente seu custo de vida. Em contraste, os palestinos que vivem na Cisjordânia estão sujeitos à lei militar israelense.

Postos de controle israelenses

Existem mais de 700 obstáculos rodoviários na Cisjordânia, incluindo 140 postos de controle. Esses postos de controle limitam severamente a liberdade de movimento dos palestinos . Enquanto os palestinos podem ter que esperar horas nesses postos de controle e viajar ao longo de redes rodoviárias segregadas, os israelenses podem viajar livremente em suas próprias “estradas de contorno” que foram construídas em terras palestinas para conectar assentamentos israelenses ilegais às principais áreas metropolitanas dentro de Israel.

Cerca de 70.000 palestinos com autorizações de trabalho israelenses cruzam os postos de controle militares israelenses a caminho de seus locais de trabalho todos os dias. Eles trabalham além da Linha Verde dentro de Israel devido à alta taxa de desemprego nos territórios palestinos – um subproduto da ocupação israelense de 54 anos.

Muro de separação

Desde 2002, Israel está construindo um muro que se estende por mais de 700 quilômetros. A barreira de concreto é um dos símbolos mais poderosos da ocupação israelense das terras palestinas.

O muro, que atinge até oito metros de altura, corta profundamente o território palestino e resultou no confisco de grandes extensões de terras palestinas férteis, na guetização de cidades e vilas palestinas e cortou milhares de palestinos de serviços sociais e escolas e terras agrícolas.

Israel diz que o muro é para fins de segurança. No entanto, em vez de seguir a fronteira internacionalmente reconhecida de 1967, conhecida como Linha Verde, 85 por cento da parede cai dentro da Cisjordânia. O muro se tornou o símbolo mais poderoso da ocupação israelense das terras palestinas.

Gaza

A Faixa de Gaza está sob bloqueio aéreo e marítimo israelense desde 2007. Desde 2008, Israel travou quatro guerras no território palestino, matando milhares de pessoas, a maioria civis.

Fazendo fronteira com Israel e Egito na costa do Mediterrâneo, a Faixa de Gaza tem cerca de 365sq km, mais ou menos do tamanho da Cidade do Cabo, Detroit ou Lucknow. É uma das áreas mais densamente povoadas do mundo e, devido à contínua ocupação de Israel, foi descrita como “a maior prisão a céu aberto do mundo”.

O bloqueio de Israel isolou os palestinos de seu principal centro urbano, Jerusalém, que hospeda hospitais especializados, consulados estrangeiros, bancos e outros serviços vitais, embora os termos dos Acordos de Oslo de 1993 declarassem que Israel deve tratar os territórios palestinos como uma entidade política, para não ser dividido.

Refugiados

Há 1,5 milhão de refugiados palestinos vivendo em 58 campos oficiais da ONU localizados em toda a Palestina e países vizinhos. No total, há mais de cinco milhões de refugiados palestinos registrados, a maioria vivendo fora desses campos. A situação dos refugiados palestinos é o problema de refugiados não resolvido mais antigo do mundo.

Quase 70 por cento dos residentes de Gaza são refugiados. Cerca de 1,4 milhão de refugiados vivem em oito campos de refugiados ao redor da Faixa de Gaza.

Ataques a Gaza

Desde 2007, após a ascensão do Hamas ao poder, Israel empreendeu vários ataques e quatro guerras na Faixa de Gaza. Em 2008, Israel lançou seu primeiro grande ataque a Gaza, que durou 23 dias. Chamada por Israel de “Operação Chumbo Fundido”, 47.000 casas foram destruídas e mais de 1.440 palestinos foram mortos, incluindo pelo menos 920 civis.

Em 2012, as forças israelenses mataram 167 palestinos, incluindo 87 civis, em um ataque de oito dias apelidado de “Operação Pilar de Defesa” por Israel. O número de mortos incluiu 35 crianças e 14 mulheres.

A infraestrutura de Gaza também foi fortemente danificada; 126 casas foram completamente destruídas e escolas, mesquitas, cemitérios, centros de saúde e esportes e instituições de mídia também foram atingidos, entre outras estruturas.

Dois anos depois, em 2014, em um período de 50 dias, Israel matou mais de 2.100 palestinos, incluindo 1.462 civis e cerca de 500 crianças.

Durante o ataque, apelidado pelos israelenses de “Operação Limite Protetora”, cerca de 11.000 palestinos foram feridos, 20.000 casas foram destruídas e meio milhão de pessoas desabrigadas.

Da Al Jazira , com tradução de texto e gráficos por Cezar Xavier