Candidata diz que prefeitura tem que ter amplo diálogo com a sociedade, ouvir trabalhadores, empresários, lideranças sindicais, comunitárias e religiosas para governar com democracia e eficiência.

A Delegada Adriana Accorsi, candidata do PT à prefeitura de Goiânia, diz que entre suas metas de governo estão a geração de empregos e a humanização do trânsito na Capital.

Ela diz que a crise econômica – agravada pela pandemia do Covid19, exige dos próximos prefeitos, muita capacidade de diálogo e articulação política para enfrentar os desafios de gerar empregos, manter o desenvolvimento da cidade e manter investimentos em obras e no cuidado da cidade e das pessoas.

Para Adriana é preciso dar continuidade as obras.  Ela observa que o  prefeito Paulo Garcia (PT) legou à cidade um grande planejamento e deixou iniciou várias obras como o BRT e o Parque Macambira Anicuns, além de viabilizar o financiamento e deixar prontos os projetos para outras obras como para a extensão da Marginal Botafogo, no sentido do Setor Pedro Ludovico,  o viaduto na Avenida Jamel Cecílio e o recapeamento das ruas e avenidas da cidade, cujas tratativas com o Banco Andino foram feitas na sua gestão.

Para Adriana Accorsi, Goiânia tem vocação para atração de empresas de serviço, tecnologia, construção civil, vestuário, farmoquímico e outras atividades que ela vai buscar estimular, em parceria com as entidades empresariais, sindicatos e a sociedade civil organizada.

Além de gerar emprego e renda, Adriana Accorsi diz que é preciso cuidar dos vulnenárias , ou seja, daquelas famílias que necessitam do auxílio do Poder Público, seja através de inclusão no Cadastro Único, sejam em iniciativas de qualificação profissional, oferecendo cursos para que tenham acesso ao mercado de trabalho.

Outra ideia da candidata é a humanização do trânsito. Ela fez duras críticas ao transporte coletivo de Goiânia, que ela considera “o pior do Brasil” e diz que além de reorganizar as linhas de ônibus, é preciso que sejam feitas também mudanças para melhoria no trânsito.

“Nosso objetivo é humanizar as nossas ruas e avenidas, para que carros, motoqueiros, ciclistas e pedestres possam coexistir, com respeito à vida e garantia do direito de ir e vir com segurança, de todos e todas”, resume.

Outra preocupação da candidata é a valorização dos servidores municipais.

“Em Brasília o governo lança projeto para acabar com a estabilidade do servidor, voltando ao tempo do coronelismo. Eu entendo, como funcionária pública que sou, que os servidores são parceiros da administração e devem ser estimulados, valorizados e respeitados nos seus direitos e na sua dignidade, para que prestem um bom serviço à cidadania”, conclui.