A meta da instituição foi informada nesta terça-feira (16) pela presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, durante Comissão Externa de enfrentamento à COVID-19 na Câmara dos Deputados. A reunião foi transmitida on-line.

Do Sputinik News

As entregas serão feitas semanalmente. Trindade disse também que, em março, a Fundação deve entregar 3,8 milhões de doses. Destas, um milhão e 80 mil injeções estarão prontas ainda nesta semana.

Em abril, estão previstas a entrega de 21.150.000 doses, seguidas de 26.810.000 para maio e 27.400.000 em junho. Para julho, a previsão é de entrega de um lote com 21.240.000 imunizantes.

Estas são apenas as vacinas de Oxford/AstraZeneca produzidas na Fiocruz. Outros milhões de doses serão importadas da Índia. Ainda não há definição sobre a quantidade que será adquirida do Instituto Serum, mas é provável que o governo compre dois milhões de doses a cada mês.

Enquanto a vacinação no Brasil segue em ritmo lento, Jair Bolsonaro trocou o comando do Ministério da Saúde nesta segunda-feira (15). O médico paraibano Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), é quem assumirá a pasta.

O novo ministro afirmou que o presidente Jair Bolsonaro determinou um “amplo debate” com a comunidade médica para buscar um “resultado melhor diante da pandemia”.

Queiroga já é o quarto ministro da Saúde de Bolsonaro. Antes dele, Eduardo Pazuello, Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta comandaram a pasta.