Já está provado que os jogadores ou os assessores ou os dirigentes da seleção argentina forneceram informações falsas para burlar os controles sanitários

por Moisés Mendes, no seu blog

Está mais do que provado que quatro deles, vindo do Reino Unido, desafiaram as autoridades brasileiras e entraram em campo, sabendo que não poderiam.

Sabe-se tudo isso, mas parte da esquerda precisa saber, ou sabe e finge que não sabe, que não é essa a questão.

Os argentinos cometeram um delito e foram malandros. Mas a Anvisa, que nunca fez o que aconteceu no domingo, montou uma farsa para punir essa malandragem. Essa é a questão.

Já se disse mil vezes que a Anvisa poderia ter cercado e notificado os argentinos em muitas ocasiões antes do jogo.

Mas a Anvisa tinha que armar uma cena policial, e com a Polícia Federal, com o jogo andando, e mostrar sua autoridade ao mundo. A Anvisa se sentiu protagonista como xerife que nunca foi.

Então, parem com essa história de que os argentinos erraram. Prestem atenção na montagem da farsa, num país de negacionistas e criminosos da pandemia, que não fiscaliza nada.

Defender que a Anvisa e a PF façam o que fizeram com os argentinos equivale a apoiar ações em que a polícia escolhe o pior momento para agir e, quando age, faz tudo errado.

Esqueçam por um momento a antipatia pelos argentinos e pensem na palhaçada. Era só o que faltava Bolsonaro ter o apoio das esquerdas às vésperas da tentativa de golpe.