Músico e ativista, Waters cantará “We Shall Overcome” (nós vamos superar), música de protesto que marcou a luta pelos direitos dos negros nos Estados Unidos nos anos 1950. Artistas brasileiros também participam da live do evento que começa as 11h30.

Confirmado. Roger Waters, ex-integrante da banda Pink Floyd, vai participar do 1° de Maio Solidário – a celebração on-line do Dia Internacional do Trabalhador, organizado pela CUT, centrais sindicais e pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Como outros artistas confirmados, o músico já enviou um vídeo com sua participação. É uma mensagem aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil junto com a canção “We Shall Overcome” (nós vamos superar).

A emblemática música de protesto, composta pelo cantor americano Pete Seeger, se tornou hino do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos (1955-1968).

Ativismo

Roger Waters, desde o início do Pink Floyd, em 1968, sempre direcionou seu trabalho ao lado crítico. O álbum de maior sucesso da banda, The Wall (1979), composto quase que na íntegra por ele, traduzia seus sentimentos em relação ao ensino opressor e contra a tirania, baseado em suas próprias experiências de vida.

O músico também gravou um disco em 2017 – “Is This Life We Really Want? (essa é a vida que realmente queremos?)” – em que faz críticas à ascensão de políticas belicistas e às guerras no oriente médio.

Em 2014, se engajou na campanha Free Palestine (Palestina Livre) durante o Fórum Social Palestina Livre, que debateu formas de combater a opressão de Israel sobre o país. A CUT fez parte do Comitê Organizador do evento.

A canção We Shall Overcome, que Waters cantará no 1° de Maio Solidário, já foi utilizada pelo músico para prestar apoio a outros líderes políticos como Nicolás Maduro, em 2019, e contra Donald Trump, presidente norte-americano.

Em 2018, durante sua turnê no Brasil, era exibida nos telões do palco a frase #ELENÃO, em protesto contra o então candidato à presidência de extrema-direita Jair Bolsonaro. Roger declarou na época “não saber o que estava acontecendo no Brasil”, em referência à ascensão do fascismo do movimento bolsonarista em seus shows.

Live do 1° de Maio

Pela primeira vez na história e para respeitar o isolamento social recomendados pelas autoridades de saúde para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), as CUT e centrais sindicais farão o 1° de Maio on-line.

Artistas brasileiros

A live está marcada para começar pelo Facebook, às 11h30 da manhã e terá participação de outros artistas como Chico César, Zélia Duncan, Otto, Preta Ferreira, Dexter, Delacruz, Odair José, Leci Brandão, Aíla, Preta Rara, Mistura Popular, Taciana Barros, Francis Hime e Olivia Hime.

Este também será um 1º de Maio Solidário, doações para os mais vulneráveis serão estimuladas e coletadas durante a transmissão da mobilização pelo dia do trabalhador e posteriormente entregues a quem precisa pelos sindicalistas e representantes das frentes. E você pode fazer tudo isso sem sair de casa, se protegendo contra o novo coronavírus (Covid-19).

Live começa as 11h30

A partir das 11h30 desta sexta-feira (1º), trabalhadores de qualquer parte do País poderão assistir à live nacional organizada de forma unitária pelas Centrais Sindicais – CUT, Força, UGT, CSB, CTB, CGTB, NCST, Intersindical, A Publica -, com o apoio das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Basta clicar no link do evento e participar da mobilização dos trabalhadores:

https://www.facebook.com/events/3020319574748780/

 

Com informações da Ascom/CUT

 

Leia também:

Centrais Sindicais, movimentos sociais e entidades da sociedade civil pedem urgência na votação da MP 936 para alterar texto que penaliza trabalhador

Leia mais: 1º de maio de 2020 terá luta, mas também será solidário, digital e unitário